Com gol polêmico, Criciúma vence Bragantino e mantém invencibilidade

Em um jogo com final polêmico, o Criciúma venceu o Bragantino por 3 a 2 e manteve a invencibilidade em casa - são 12 jogos sem derrotas no Estádio Heriberto Hulse. O time abriu 2 a 0 sobre o rival, cedeu o empate e voltou a frente no placar com um gol, aos 42min da etapa final, em chute de Zé Carlos, que havia prometido marcar antes do início da partida.

Na finalização do jogador do Criciúma a bola bateu no travessão, no lado de dentro do gol e voltou. O problema é que o bandeirinha não sinalizou o tento e o lance seguiu. Só quando a bola já estava no meio de campo, o árbitro confirmou o gol.

Com o lance, houve confusão porque os jogadores do Bragantino foram para cima do árbitro, indignados. Apenas seis policiais estavam em campo para proteger o juiz Rodrigo Nunes Sá. Após muita discussão, o árbitro manteve a decisão de validar o gol.

O Jogo

O primeiro lance de perigo do jogo foi a favor do Criciúma, mas por causa de uma falha bizarra do goleiro Gilvan, do Bragantino. Aos 6min, após cruzamento de Lucca, ele deixou a bola escapar por baixo das pernas. Por sorte não havia ninguém e a bola foi para longe.

O Bragantino respondeu aos 10min, em cabeçada do atacante Lincom na qual o goleiro Michel Alves deu rebote e a zaga afastou. O time paulista teve uma nova chance em cobrança de escanteio, mas Cesinha mandou para fora ao cabecear sozinho na segunda trave.

Ameaçado em casa, o Criciúma tratou de contra-atacar. Em dois lances faltou força aos atacantes catarinenses, primeiro com Zé Carlos, aos 18min, em chute de fora da área, e dois minutos depois, quando Lucca driblou e bateu fraco para a defesa do goleiro adversário.

Logo que melhorou na partida o Criciúma chegou ao primeiro gol. Aos 32min, a bola sobrou fora da área para o meio-campista Kléber que chutou forte de primeira para abrir o placar com um golaço. O time de Santa Catarina ainda teve mais uma oportunidade de balançar as redes no fim do primeiro tempo, mas o chute de Ezequiel bateu no travessão e foi para fora.

Logo no início da segunda etapa, o Criciúma chegou ao segundo gol. Já aos 3min, Lucca cobrou falta com precisão e mandou no ângulo esquerdo de Gilvan, sem chances de defesa. O Bragantino não desanimou com o segundo tento do adversário e partiu para cima para diminuir. E o gol veio aos 20min, com Acleisson em cobrança de falta, quando a bola desviou levemente na barreira e enganou o Michel Alves.

Após o gol o Bragantino ainda mandou uma bola no travessão, em cabeçada de Lucca. Depois, mesmo sofrendo o gol, o Criciúma seguiu melhor no jogo, comandando as ações ofensivas em jogadas de Zé Carlos e Lucca. Os catarinenses quase ampliaram em cobrança de falta, aos 29min, quando Giovanni chutou por baixo da barreira e Gilvan deu rebote na pequena área.

Quando mandava na partida, o time da casa foi surpreendido com o empate da equipe paulista. Léo Jaime recebeu na entrada da área, girou bem e chutou para decretar a igualdade no placar, aos 31min. A virada por pouco não veio nos minutos seguintes. Aos 39min, Michel Alves salvou o Criciúma ao defender chute na pequena área.

Ao final do jogo veio o lance polêmico. Aos 42min, Zé Carlos finalizou na área e a bola bateu no travessão, entrou e voltou para o campo. O auxiliar não correu para o meio do campo, sinalizando o gol e, com a bola já no meio do campo, o árbitro deu o gol.

O jogo ficou quase dez minutos parado, mas o gol foi validado. No retorno, os jogadores estavam exaltados e a partida ficou tensa. O Bragantino tentou buscar o empate, mas não conseguiu.