Cristóvão rejeita abalo psicológico do Vasco antes de clássico com Fla 

Nos últimos cinco jogos pelo Campeonato Brasileiro, o terceiro colocado Vasco conquistou apenas uma vitória. Na noite da última quinta-feira, o resultado positivo pareceu que voltaria a acontecer, mas o time tomou o gol do empate por 2 a 2 nos últimos minutos da partida contra o Coritiba. O técnico Cristóvão Borges admite que foi uma situação dolorosa, mas garante que a equipe não vai chegar abalada para o clássico com o Flamengo, domingo, no Engenhão.

"Não prejudica. Nós perdemos do Atlético-MG e foi a mesma coisa. Esse empate nos deixa muito tristes pela maneira como foi. Era uma grande oportunidade. Mas psicologicamente não abala. Já passamos por isso e hoje a equipe já saiu de uma situação difícil e reagiu. A equipe sabe o que quer. Temos um clássico para buscar a vitória", afirmou Cristóvão.

O técnico admitiu que o gol nos minutos finais da partida em São Januário foi um dos momentos mais complicados da competição. "É doloroso pela maneira que foi. Conseguimos virar o jogo já no final, uma coisa muito difícil. E tomamos o empate. É claro que é bastante sofrido", disse. "O objetivo era vencer até pelos resultados dos nossos principais adversários. Dificilmente acontece uma rodada que muitos resultados beneficiam. Os jogadores estavam muito animados com isso."

No entanto, o comandante vascaíno rejeita as afirmações de que o Vasco está em sua pior fase na competição. "É exagero sim dizer que é a nossa pior fase. Se olhar para trás, era para ter um monte de gente desesperada e não estão. Imagina nós", explicou o técnico. "Claro que queremos melhorar. Tivemos uma série de empates nas últimas partidas, mas estamos nos esforçando para isso mudar."

Cristóvão acredita que o clássico contra o Flamengo pode reabilitar a equipe e fazer as pazes com a torcida, que vaiou mais uma vez o time e, principalmente, o técnico. "Jogar clássico é sempre bom. Por si só já é um fator de motivação. Como existe equilíbrio e confronto direto com o Fluminense, é uma condição especial para a gente tirar esta diferença."