Técnico desmente autobiografia e nega ter empurrado Hope Solo

Mal foi lançada, a autobiografia de Hope Solo já está criando polêmica. No livro batizado de Solo: A Memoir of Hope, a goleira acusa Greg Ryan, ex-técnico da seleção americana, de tê-la empurrado em uma reunião durante a Copa do Mundo de 2007. O treinador não gostou da forma como o episódio foi retratado e o desmentiu em comunicado divulgado à imprensa nesta terça-feira.

O assunto polêmico é tratado pelo site do jornal americano USA Today. Na autobiografia, Solo lembra que, antes da derrota por 4 a 0 para o Brasil na semifinal daquele Mundial, deixou o time titular e ficou no banco de reservas, sendo substituída por Briana Scurry. Em uma reunião, ela relata ter sido empurrada por Ryan.

O treinador, atualmente no comando de um time feminino em Michigan, classificou a acusação como "completamente falsa". Ele disse que não empurrou a atleta e disse que, caso isso fosse verdade, teria sido imediatamente demitido pela USA Soccer (Federação Americana de Futebol).

Relembrando aquela reunião, Ryan apontou que discutiu "abertamente" o assunto e ressaltou que, embora Solo estivesse "decepcionada" por ficar na reserva, aquela era a decisão correta, tanto é que já havia sido apoiada pelas "líderes do time".

Sob o comando do treinador, os Estados Unidos terminaram na terceira colocação no Mundial de 2007, disputado na China, perdendo a semifinal por 4 a 0 para o Brasil, que seria vice-campeão, atrás da Alemanha. A equipe americana, atualmente comandada por Pia Sundhage e com Hope Solo como titular, sagrou-se tricampeã olímpica em 2012, em Londres.