Com cabeça raspada, Zé Roberto exalta feito e pede mais tricampeões 

Guarulhos - Primeiro brasileiro tricampeão olímpico da história, o técnico da Seleção feminina de vôlei, José Roberto Guimarães, comemorou o feito atingido após o ouro em Londres, mas confessou que quer ganhar companhias em pouco tempo.

"Em nenhum momento eu pensei nisso (em ser o primeiro tricampeão). Eu me sinto muito orgulhoso, lisonjeado, principalmente quando penso no Adhemar Ferreira da Silva (campeão olímpico no salto triplo em 1952 e 1956), uma grande referência para mim, por todos os feitos que ele nos proporcionou", disse José Roberto, que logo em seguida confessou que quer que outros brasileiros atinjam tal marca: "espero que muitos outros brasileiros de outras modalidades se juntem a mim. É muito importante que nos tornemos uma potência olímpica", completou.

>> Fabi explica desabafo após ouro e diz: "não mandei ninguém calar a boca" 

José Roberto Guimarães se tornou o primeiro brasileiro tricampeão olímpico da história após o título com a Seleção feminina em Londres. Antes disso, o treinador já havia conquistado o ouro em 1992, com a Seleção masculina, e em 2008, já com a feminina. Antes disso, além do ex-atleta Adhemar Ferreira da Silva, Zé Roberto dividia o topo da lista com os ex-jogadores Maurício e Giovane, os velejadores Robert Scheidt, Torben Grael e Marcelo Ferreira, com duas conquistas.

Com um semblante muito mais calmo do que o apresentado nos nervosos jogos decisivos em Londres, Zé Roberto apareceu com o visual diferente nesta segunda-feira. Com a cabeça raspada por causa de uma promessa que fez caso o ouro fosse conquistado em Londres, o comandante brasileiro ainda admitiu que terá que pagar outras promessas após o título. "Comecei (a pagar as promessas) ontem. Senão ia ficar um ano cumprindo", contou o técnico, bem humorado.