Confiantes, ginastas dos EUA têm meta de bater favoritas em Londres

Campeãs do mundo em 2003, 2007 e 2011 e donas de 59 medalhas em competições mundiais desde 2001, as ginastas da equipe dos EUA chegam às vésperas da Olimpíada com plena confiança de que o time apresentará um ótimo desempenho em Londres. Em disputas internacionais do ano passado, as americanas conquistaram metade dos seis títulos possíveis e o grupo vai com força total para os Jogos em solo britânico.

A seleção feminina dos EUA de ginástica artística tem apenas um título olímpico por equipes, conquistado nos Jogos de Atlanta, em 1996. Ainda assim, não faltam motivos para acreditar que a história será diferente este ano. Campeã no all-around da Copa América de 2012, Jordyn Wieber diz que o grupo está muito mais forte e vê grande potencial das mulheres do time para vencer os desafios da Olimpíada. Gabby Douglas, Aly Raisman, Kyla Ross e McKayla Maroney competirão ao lado de Wieber na cidade inglesa.

Para o treinador das americanas, Bela Karoly, Jordyn Wieber lembra muito Nadia Comaneci. A romena idolatrada mundialmente foi uma das primeiras alunas do técnico. Karolyi diz que Jordyn é a primeira que se aproxima mais da ex-ginasta e afirma que as semelhanças estão no corpo, na mente e na forma guerreira de lidar com obstáculos. Outra estrela entre as atletas dos EUA é Gabby Douglas. A americana venceu a compatriota Jordyn Wieber na Seletiva para Londres e diz que resultados recentes a impulsionam a conquistar marcas maiores e melhores.

Além da confiança em sua força, a equipe americana também conta com alguns problemas enfrentados por rivais de peso na modalidade. A favorita China sofreu sério desfalque para a Olimpíada ao perder Cheng Fei, que rompeu o tendão de Aquiles, e tem encontrado dificuldade em acertar o time. Já a Rússia lida com lesões de peças importantes da seleção, como Aliya Mustafina, Anastasia Sidorova e Viktoria Komova.