Oswaldo culpa semana intranquila por revés botafoguense 

O técnico Oswaldo de Oliveira chegou à sala de imprensa do Engenhão com a resposta na ponta da língua para explicar a derrota para a Ponte Preta, por 2 a 1, na noite deste domingo, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro: a intranquila semana que o clube viveu, com negociações que, na opinião do treinador, mexeram com a cabeça dos jogadores.

"O time passou essa semana por vários momentos de turbulência, muita agitação, de sai e não sai, vem e não vem, essas coisas é claro acabam tirando a tranquilidade, desviando o curso", admitiu o treinador, que disse ainda que "não tinha visto o Botafogo em outras partidas como a de hoje, inseguro".

Para Oswaldo, o noticiário envolvendo três importantes jogadores de sua equipe foi decisivo para desviar o foco da partida contra o time campineiro. "O que agitou mesmo foi a saída do Herrera, o fato diferente foi esse. E a movimentação em torno do Maicosuel e do Elkeson, algo que realmente mexeu com a cabeça dos jogadores, que, notadamente, estavam sem a concentração que precisávamos para evoluir com o trabalho", afirmou.

Herrera aceitou uma proposta do futebol dos Emirados Árabes, enquanto que Maicosuel tem praticamente acertada a saída para a Udinese, da Itália. Já Elkeson tem recebido sondagens de outros clubes, sem nenhuma definição ainda. Enquanto isso, o clube espera a chegada do holandês Seedorf, grande esperança para o prosseguimento da competição.

"Estamos tentando desde o início do ano, mas não temos conseguido contratar com a mesma velocidade que os outros contratam nossos jogadores. Isso é algo que pesa e que acaba danificando o que havíamos pensado para a equipe desenvolver bem", reclamou Oswaldo, que voltou com Loco Abreu como referência no ataque, mas acabou optando pela entrada de Elkeson, em seu lugar, no segundo tempo.

"O Abreu foi artilheiro jogando assim. E ele já fez vários jogos este ano, já decidiu várias partidas. Não há diferença no sistema tático, o que há é diferença em característica de jogador. O Herrera é mais de movimentação, e isso eu posso aproveitar do Elkeson, mas como ele não tem hábito de atuar ali, estamos treinando para que ele possa suprir esta deficiência", explicou o treinador.

Adiamento em hora ruim

O Botafogo volta a campo pelo Brasileirão somente no dia 7 de julho, contra o Bahia, novamente no Engenhão, já que o confronto contra o Corinthians, que ocorreria no próximo sábado, em São Paulo, foi adiado em função da preparação do time paulista para a final do Libertadores. Para Oswaldo, as duas semanas de folga atrapalham os planos da equipe, já que uma pequena pré-temporada estava no cronograma do treinador.

"É péssimo. Você perde a sequência, eu não sou favorável a esse tipo de interrupção, a menos que isso seja previamente planejado. Soubemos em um dia que poderia acontecer a mudança, e no outro dia já estava feito. Já havíamos planejado para completar nossa pré-temporada em Itu (interior de São Paulo). De repente, tivemos que cancelar tudo", voltou a reclamar.