Fãs viajam e não dormem para chegar primeiro no UFC 147

O UFC 147 só vai começar às 19h45 (de Brasília). Os portões só serão abertos para o público a partir das 18hs. Por isso a movimentação tem sido pequena no Ginásio Mineirinho até agora. Mas mesmo assim existem fãs de MMA que chegaram de manhã para assegurar os melhores lugares no evento. Eles viajaram do sul ou do nordeste e houve até quem não dormisse para ser o primeiro a entrar na arquibancada.

A decepção dos fãs de MMA com o evento é nítida. Não é raro ouvir a história de quem comprou ingresso achando que assistiria a luta entre Vitor Belfort e Wanderlei Silva. Porém, com a contusão do primeiro, houve desânimo geral dos torcedores. "É adrenalina pura, mas com certeza teve decepção. A gente pensou em desistir por causa disso, mas viemos de São Paulo para assistir", comentou o paulista Nelson, de 32 anos.

Perto dele estava uma torcida animada que veio do Rio de Janeiro. Eles eram os únicos em uma fila de entrada para ver as lutas em outro setor, o octógono sul. Erika Heredia estava até com tatuagens em referência ao evento: "Wand" e "UFC" apareciam escritos nos seus braços, com tinta que ela jurava ser de verdade.

Mas quem fez o maior sacrifício para ver as lutas de perto foi o mineiro Leandro, de 22 anos. Ele trabalhou como manobrista durante a madrugada e foi praticamente direto para a fila do UFC 147, sem dormir. Chegou primeiro entre aqueles que vão acompanhar tudo da arquibancada. "Acho que dá para o Wanderlei ganhar. Ele vai com tudo", apostou ele, empolgado com a luta do brasileiro contra o americano Rich Franklin.

Ao lado de Leandro, estavam mais pessoas que viajaram para ver o UFC 147, vindos de São Paulo ou até Sergipe. Um pouco mais distante dali, foram encontrados até irmãos gaúchos que vieram de Porto Alegre para Belo Horizonte. Eles também admitiram a decepção por causa da ausência de Belfort, mas se motivaram por causa da presença de outro atleta: "a gente veio ver o Werdum, que é gremista também. Ele prometeu entrar com a bandeira", contou Rodrigo, de 26 anos, ao lado do irmão Lucas, de 23.