Brasil é mais perigoso que o Bahrein, diz chefe da McLaren

A crise político-social vivida pelo Bahrein não preocupa o chefe da McLaren mais do que a violência urbana no Brasil. Foi o que Martin Whitmarsh deixou claro neste sábado, ao defender a realização do Grande Prêmio no país asiático, no próximo final de semana. Assim como em 2011, quando a corrida no Bahrein foi cancelada por falta de segurança, a nação do Golfo Pérsico segue vivenciado conflitos entre manifestantes e a polícia.

"Nós viajamos para o Brasil, para uma variedade de lugares. Estamos conscientes da segurança que temos que ter para alguns locais que vamos, e não estamos sempre tão confortáveis como gostaríamos de estar, mas nós não decidimos isso", afirmou Whitmarsh ao jornal britânico Daily Mail.

A publicação, inclusive, fez questão de demonstrar que concorda com o ponto de vista do chefe da McLaren, afirmando em seu texto que "não passa uma corrida no Brasil sem histórias de membros de escuderias ou da imprensa sendo ameaçados e roubados, ou tendo seus carros furtados". Para isso, citou o episódio em que o piloto Jenson Button e seu pai escaparam de uma tentativa de assalto em São Paulo, em 2010.

"Nós temos visto isso repetidas vezes no Brasil", alegou Whitmarsh. "Na oportunidade, houve uma ameaça real e séria a indivíduos", completou sobre o episódio com Button. "Até agora não tomamos nenhuma medida especial (para o GP no país asiático), embora estejamos sempre cautelosos e atentos à segurança da nossa equipe", afirmou.

No final de semana em que Button escapou de um assalto durante o GP do Brasil, em 2010, a Sauber também confirmou que um veículo seu com três engenheiros da equipe havia sido assaltado na saída do autódromo de Interlagos. Á época, Button disse que o incidente com ele tinha sido "bastante assustador".