"Expressinho" de Muricy chega a 66% e fornece opções aos titulares 

Em 17 rodadas, o Santos teve o time praticamente reserva em sete jogos. Perdeu uma vez, empatou duas e, contra a Portuguesa no último domingo, obteve a quarta vitória ao ganhar de 2 a 0 no Canindé. Os bons resultados valem um aproveitamento de 66% que, hipoteticamente, deixariam os santistas em quinto lugar do Campeonato Paulista.

Muricy Ramalho, que opta pelos reservas por conta dos compromissos de Copa Libertadores e pela pré-temporada atrasada em razão do Mundial de Clubes, teve seu primeiro grande trabalho na carreira em condições similares. Auxiliar de Telê Santana, ele comandou o Expressinho do São Paulo, campeão da Copa Conmebol de 1994 com jogadores como Denílson e Juninho Paulista.

Na época, a dupla ainda era bastante jovem e tinha as primeiras oportunidades para, tempos depois, se tornar jogadores importantes no Morumbi - Juninho e Denílson, aliás, foram pentacampeões do mundo com a Seleção Brasileira oito anos depois. No Santos, Muricy também experimenta a ascensão de jogadores reservas.

O primeiro caso é o de Ibson, que terminou 2011 desacreditado, deu a volta por cima com atuações convincentes no início do Paulista e tomou a titularidade de Elano. Jogadores como Anderson Carvalho e principalmente Alan Kardec, autor de quatro gols nas primeiras três rodadas do ano, ganharam espaço com o treinador. Rafael Caldeira, quinta opção da zaga, marcou domingo contra a Portuguesa.

Outra figura que pode ganhar importância nos momentos cruciais da temporada é Felipe Anderson. Autor da jogada mais bonita da partida contra a Portuguesa, ele já tem seis assistências para gol em 2012 e tem evoluído com as cobranças de Muricy. "Para jogar em time grande, tem que participar o tempo todo. "Ele é uma esperança do Santos", definiu o técnico, agitado no banco no domingo.

"O problema é que o time não tem entrosamento", atesta Muricy Ramalho para justificar sua postura mais participativa. "Queríamos apagar o jogo contra o Mogi, que foi muito ruim. Cobramos os jogadores nesse sentido. Hoje (domingo) eles mostraram que têm condições, mas é pôr em prática", analisou. O confronto com o Mogi Mirim foi a única derrota santista no ano.