Edmundo faz dois, tem despedida "animal", e Vasco goleia Barcelona-EQU

Passarem-se quase 14 anos desde que o Vasco conquistou a Copa Libertadores de 1998, em uma final contra o Barcelona-EQU. Mas nesta quarta-feira, contra o mesmo adversário, a torcida do time carioca voltou ao passado e sentiu um orgulho parecido. Em clima de festa, os vascaínos comemoraram a goleada por 9 a 1 e se despediram com emoção de um ídolo especial: aos 40 anos, Edmundo brilhou como antigamente. Ele se aposentou com dois gols marcados, lágrimas nos olhos, muitos aplausos da torcida e até um apagão em São Januário - a partida foi interrompida por cerca de vinte minutos por falta de luz. Apesar disso, com certeza foi uma noite "animal" para qualquer vascaíno.

Edmundo já entrou em campo com lágrimas nos olhos. Personalidades do futebol o elogiaram em vídeo que foi mostrado no placar. Depois, ele subiu para o gramado sob fogos de artifício e muito barulho da torcida. Após cumprimentar cada um dos jogadores do elenco atual e receber uma placa das mãos de Roberto Dinamite, começou a disputar a partida que tanto queria - em 1998, não pôde enfrentar o Barcelona-EQU por ter se transferido para a Fiorentina-ITA. Por isso escolheu o time equatoriano para esse momento especial.

E a noite virou ainda mais especial logo no começo do jogo: após marcação de um pênalti duvidoso, Edmundo converteu a cobrança e deixou mais bonita a festa em São Januário. Mas era só o começo, pois Alecsandro marcou um golaço logo depois, em jogada iniciada exatamente por Edmundo, o que só aumentou a comemoração dos vascaínos. Só que o grande ídolo do time queria emocionar ainda mais a torcida: aos 34min, Edmundo marcou outro gol, dessa vez ainda mais bonito, em um chute de primeira.

O final do primeiro tempo ainda teve uma curiosidade: Dedé falhou, e Ascencio marcou para o Barcelona. O detalhe é que esse jogador estava na final da Copa Libertadores de 1998, pelo time equatoriano. Atualmente, ele defende o Espoli-EQU, mas foi convidado especial para a partida e fez sua parte. Porém, para tristeza dos equatorianos, a resposta do Vasco veio logo e com classe: Juninho acertou um chute preciso e começou a transformar a vitória em goleada.

Depois do intervalo, o Vasco comemorou um golaço de Éder Luis no minuto inicial, mas algo inesperado aconteceu: apesar do brilho de Edmundo, todas luzes do Estádio São Januário se apagaram por cerca de vinte minutos. Quando a iluminação foi acendida novamente, Edmundo mostrou que também estava ligado, pois fez uma bela jogada aos 8min. Mas as chuvas e as substituições passaram a esfriar a partida, que só foi esquentada por Fellipe Bastos. Ele fez seu gol de falta e depois ainda deu passe para Alan marcar o sétimo do Vasco.

Ainda houve tempo para Diego Souza marcar o seu antes da saída de Edmundo. Depois de 83 minutos em campo, ele passou a faixa de capitão para Felipe e foi substituído pela última vez. O jovem Willian Barbio entrou em seu lugar, mas a torcida não quis mais saber do jogo. Apenas aproveitou para aplaudir e gritar pela última vez por seu ídolo em São Januário. Foi uma homenagem mais do que justa. Não só pelo jogo, claro, mas pela carreira e pelos títulos ao longo do tempo. Alan foi quem fechou o placar elástico com uma cobrança de falta.

Festa à parte, agora o Vasco voltará sua concentração para dois jogos importantes que terá pela frente: primeiro enfrentará o Macaé, neste sábado, pelo Campeonato Carioca. Depois, na terça-feira, jogará pela Copa Liberadores, fora de casa, contra o Alianza Lima-PER.