Titulares juntos, Valdivia e D. Carvalho jogam bonito e convencem

Luiz Felipe Scolari se contradisse e não deve ter ficado arrependido. Depois de descartar as presenças de Daniel Carvalho e Valdivia juntos entre os titulares palmeirenses, o treinador resolveu arriscar e acertou em cheio. A dupla atuou desde o início por conta da ausência de Maikon Leite e foi a grande notícia da vitória do Palmeiras por 2 a 1 sobre a Ponte Preta, neste sábado, no Pacaembu.

A primeira surpresa da tarde veio uma hora antes do jogo, já que Felipão havia indicado a presença de Ricardo Bueno na frente, mas optou por Daniel Carvalho. Aos 2min, o meia justificou a confiança e mostrou afinidade com Valdivia. O chileno conduziu a bola, passou a Daniel que, de primeira, serviu para Juninho abrir o marcador contra a Ponte Preta. Há três dias, contra o Coruripe-AL, ele já havia dado assistência para Barcos fazer o único do jogo. Curiosamente, também a 2min.

Mais aberto pelos lados, Daniel Carvalho exibiu disposição, chegou a arriscar carrinho e principalmente boa sintonia com o chileno, a quem passou a bola em quatro momentos da partida - Valdivia, por sua vez, serviu Daniel em sete ocasiões. A sintonia entre ambos, se não ofereceu a velocidade de Maikon Leite ou mesmo muita força na marcação, fez os palmeirenses se recordarem de Zinho e Alex, os canhotos que armavam no último grande time de Felipão, campeão da Libertadores em 1999.

O próprio Daniel Carvalho, que no passado já havia manifestado pouca convicção sobre seu futuro com Valdivia no time titular, deixou o intervalo surpreso e com ironia. "Se a gente sair com a vitória, todos vão dizer que deu certo e conseguimos jogar juntos", falou. A etapa complementar no Pacaembu mostrou ainda um lance mágico de ambos e que por pouco não virou golaço. Eles tabelaram, Daniel passou por elevação e Valdivia não foi às redes porque Ferrón travou a conclusão na área.

Extenuado, Daniel Carvalho deixou o campo a 15 minutos do fim para a entrada de Tinga, momento em que o Palmeiras já se preocupava mais com a administração do placar. O índice de três desarmes dele e de outros cinco de Valdivia, sacado nos acréscimos, mostraram certa dedicação da dupla no que Felipão mais se preocupava: a marcação. Pois no que diz respeito à qualidade e entrosamento, mostrou a vitória sobre a Ponte, o treinador não precisa ter muitas dúvidas.