Imprensa italiana ironiza desempenho da Ferrari na Austrália

As previsões mais pessimistas sobre o novo carro da Ferrari se confirmaram neste sábado, e pela primeira vez desde o Grande Prêmio da Malásia de 2010 os dois carros vermelhos não chegaram ao Q3 de um treino classificatório da Fórmula 1. Principal jornal esportivo de Turim, o Tuttosport não perdoou o desempenho da equipe italiana e chamou os modelos F2012 de "Ferrarinhas", destacando ainda o erro e o "protesto" de Fernando Alonso com os comissários do GP da Austrália.

Alonso perdeu o controle de seu veículo logo no início da segunda parte do treino classificatório em Melbourne, o Q2. Ele rodou e parou na caixa de brita. Logo após o erro, ainda dentro do carro, o piloto fez sinais para os comissários empurrarem o carro de volta à pista, mas não teve o pedido atendido. Ao sair do cockpit, ele ainda mostrou irritação com os fiscais e fez um novo protesto antes de se dirigir de moto aos boxes enquanto o monoposto era retirado por um guincho.

O episódio encerrou precocemente a participação do espanhol na sessão. Àquela altura, ele já havia marcado o tempo de 1min26s494, suficiente para fazê-lo largar na 12ª posição da corrida deste domingo. Seu parceiro, o brasileiro Felipe Massa, cravou 1min27s497 e partirá em 16º.

Na manhã deste sábado, o Tuttosport destaca o mau desempenho da escuderia italiana em seu site com a manchete "Ferrarinhas". Na matéria, Alonso explica que tocou "um pouco a grama na freada" e assim foi para a brita. Ele aponta que conseguiu "manter o motor ligado" e por isso esperava que os comissários pudessem recolocar o carro na pista. Os fiscais só são obrigados a ajudar um corredor que sai da pista caso o veículo tenha parado em um local perigoso.

Segundo o espanhol, seu melhor tempo no Q2 havia sido obtido com pneus macios usados. Ele acreditava que, colocando compostos do mesmo tipo, porém novos, para fazer uma nova volta, poderia ter chegado ao Q3. De qualquer forma, o bicampeão mundial adianta que não conseguiria "lutar pelas primeiras filas", admitindo que "falta velocidade" à nova Ferrari - de acordo com suas contas, o carro anda a cerca de 15 km/h a menos que os rivais nas retas.

O diário ainda ressalta "o grande sofrimento" de Massa para superar até mesmo o Q1. O brasileiro terminou a primeira parte da classificação como o 17º colocado - último posto entre os que avançavam à etapa seguinte. "A surpresa foi a eliminação de Kimi Raikkonen, que com a Lotus cometeu um erro no último giro e terminou em 18º, salvando literalmente Massa da vergonha da ausência da qualificação (ao Q2)", escreve o Tuttosport.

Na sexta-feira, o paulista havia começado o ano rodando de forma parecida a Alonso, porém no primeiro treino livre em Melbourne. Massa colocou a roda traseira esquerda na grama e também parou na caixa de brita. Neste sábado, em entrevista à TV Globo, o vice-campeão da F1 em 2008 disse que as escapadas não surpreendem por ele estar "brigando com o carro".

A Ferrari adotou um estilo agressivo na construção do F2012, que não é uma simples evolução dos modelos anteriores e sim uma transformação. Depois dos testes da pré-temporada, o diretor técnico da equipe, Pat Fry, já havia descartado a possibilidade de lutar pelo pódio em Melbourne.

Neste sábado, Alonso foi ainda mais pessimista e, em entrevista publicada pelo diário espanhol El País, aponta que se antes todos na escuderia trabalhavam "24 horas por dia", agora terão que trabalhar "25". Ele reconhece que, se não for possível "melhorar o carro e fazê-lo rapidamente", não haverá condições de "ganhar corridas nem brigar pelo título".