Teixeira foi a reuniões sobre jogo suspeito, diz ex-secretário 

Um novo elemento ligou o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, à organização do amistoso entre Brasil e Portugal, em dezembro de 2008, que está sendo investigado por suspeita de superfaturamento. 

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o ex-secretário de Esporte do Distrito Federal, Aguinaldo de Jesus, afirmou em depoimento que Teixeira participou da maioria das reuniões com a empresa Ailanto, que foi a responsável por organizar a partida. 

O presidente da CBF sempre negou envolvimento com o amistoso, dizendo que direitos do jogo haviam sido terceirizados.

Aguinaldo de Jesus disse que Teixeira teria "interesse pessoal" na organização do amistoso, afirmação negada pela assessoria do cartola. Segundo as investigações descobriram, o dirigente recebeu cheques nominais de Vanessa Precht, uma das sócias da Ailanto, meses após a realização do jogo, em contrato para arrendar uma fazenda de Teixeira por R$ 600 mil. Além disso, uma outra empresa, a VSV, sócia da Ailanto, tinha registrada como sede uma das fazendas de Teixeira. A Ailanto tem como dono Sandro Rosell, presidente do Barcelona e amigo pessoal do cartola brasileiro.