Mano Menezes quer reunir time Sub-23 para treinar e pode desfalcar clubes

O projeto de preparar a Seleção Brasileira para a Copa do Mundo de 2014, assumido por Mano Menezes logo após a eliminação no Mundial de 2010, ficará um pouco de lado no primeiro semestre. Presente ao lançamento da nova camisa do Brasil nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro, o técnico declarou que pretende reunir uma equipe Sub-23, só com jogadores que atuam no País, para um período de treinos visando à Olimpíada de Londres, que acontece em julho e agosto.

"Vamos aproveitar os jogadores com idade olímpica no Brasil. Teremos uma representação muito boa. Temos nossas limitações, como sempre ocorre, para reunir os jogadores. Mas tenho certeza de que vamos fazer um bom trabalho", afirmou o treinador, que quer aproveitar o vácuo de datas Fifa entre março, abril e maio para treinar os atletas.

Sobre a possibilidade de desfalcar as equipes brasileiras de alguns de seus principais atletas, Mano contemporizou e disse que tudo será discutido previamente com os clubes. O treinador disse que fará os times entenderam a importância da medalha de ouro olímpica para o futebol do País.

"Sobre os jogadores com idade olímpica, nós vamos nos reunir com os clubes para não trazer problema para ninguém. Temos que mostrar para os clubes que é muito importante os jogadores participarem desta briga por uma medalha inédita. E vamos falar com os próprios jogadores também, para que eles percebam a importância disso tudo", declarou.

O planejamento de Mano é fazer um período de preparação no Brasil e depois em Londres, com amistosos ainda não confirmados. O técnico também confirmou que vai levar os três jogadores acima de 23 anos permitidos pelo regulamento.

"Nós vamos usar, porque a regra permite. Temos espaço para isso e temos que aproveitar", afirmou, lembrando que a Olimpíada é também uma preparação para a Copa. "Não tenho dúvida de que muitos dos jogadores Sub-23 estarão na Copa de 2014. Basta olhar os atletas. Neste momento, precisamos direcionar para a Olimpíada. Mas este trabalho vem correndo de forma paralela desde a primeira convocação".