Pressionado, Luxemburgo resiste a boatos e ganha sobrevida no Fla 

O técnico Vanderlei Luxemburgo viveu uma quarta-feira de incertezas no Flamengo. Durante a tarde, boatos davam conta de sua iminente demissão, que podia acontecer até mesmo se vencesse o Real Potosí à noite, no Estádio do Engenhão, pela primeira fase da Copa Libertadores. Nos bastidores da Gávea já era certo que Joel Santana, no Bahia, seria contratado para assumir o posto.

Horas mais tarde, o Flamengo entrou em campo para enfrentar os bolivianos, precisando reverter a derrota por 2 a 1 no jogo de ida. Na Bahia, Joel Santana era categórico ao afirmar que não fora procurado pela diretoria rubro-negra. No Rio de Janeiro, Luxemburgo passou boa parte do primeiro tempo no banco, lidando com uma torcida hostil que já pedia sua cabeça.

Tudo começou a mudar aos 39min do primeiro tempo, quando Ronaldinho cobrou falta na área e Leó Moura cabeceou para fazer 1 a 0 - na comemoração, sozinho, o lateral correu para abraçar o técnico no banco. No fim do segundo tempo, já aos 47min, Ronaldinho recebeu na área, driblou o zagueiro e tocou com calma no canto do goleiro Henry Lapczyk. Antes vaiado, o camisa 10 tinha seu nome agora cantado nas arquibancadas.

Em poucas horas, ao que tudo indica, a sorte de Vanderlei Luxemburgo mudou. Mas para ele, a situação do final do jogo era a mesma do começo. Diante dos microfones após o jogo, o técnico demonstrou maturidade e adotou um tom ameno para afirmar que não chegou a conversar sobre o assunto com a diretoria - mas que nem por isso acredita em menor turbulência após assegurar a vaga rubro-negra na fase de grupos da Copa Libertadores. Em seu discurso, a demissão parece ser uma possibilidade real, com que não difere de outras ocasiões.

"Esse negócio de turbulência é complicado. Tanto tempo de futebol, ainda mais no Flamengo, é difícil. Tem que ter maturidade. Hoje, estou mais calmo, mais tranquilo. Tem que entender alguns questionamentos. Você tem que estar preparado para algumas coisas que acontecem. É a essência do futebol", disse, encarando normalmente a cobrança por bons resultados.

Até aqui, os resultados do Flamengo em 2012 não são dos piores. Somando a pré-temporada em Londrina (PR), o Campeonato Carioca e os dois jogos da Libertadores, o time contabiliza três vitórias (sobre Londrina, Bonsucesso e Real Potosí), dois empates (Corinthians e Macaé) e uma única derrota (Real Potosí). No entanto, os atrasos salariais no clube, a formação do elenco e os problemas extracampo acabaram por minar a relação com a torcida logo no começo da temporada.

O bode expiatório da quarta-feira poderia ser Vanderlei Luxemburgo, mas o treinador manteve a calma. Em sua entrevista, disse ter se preparado para a pressão, sem cobranças da diretoria. Desta forma, segundo ele, conseguiu se preparar sem pensar em uma possível demissão - o que, pelo discurso da presidente Patrícia Amorim, não acontecerá.

"Nós trabalhamos visando o jogo, como das outras vezes: focado, fazendo a preleção", disse. "O trabalho foi normal. Não teve nenhum questionamento da diretoria. Foi dentro de uma normalidade que nós estamos acostumados a fazer", acrescentou o treinador, que deve enfrentar o Olaria já nesta sexta-feira, às 17h (de Brasília), pelo Campeonato Carioca. O jogo, marcado para o Estádio do Engenhão, está sujeito a alterações por parte da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).