Após tragédia, governo do Egito destitui dirigentes da Federação de Futebol

O primeiro-ministro egípcio, Kamal al-Ganzuri, anunciou nesta quinta-feira a destituição dos dirigentes da Federação de Futebol do Egito e a renúncia do governador de Port Said, após os atos de barbárie que terminaram com 79 mortos na partida de quarta-feira Al-Masry e Al-Ahly, que terminou com vitória de 3-1 do Al-Masry.

Al-Ganzuri informou ao Parlamento, reunido em sessão extraordinária, que o governador de Port Said (norte) renunciou ao cargo e que a demissão foi aceita.

Também anunciou a destituição do presidente e dos membros do conselho da Federação, que, segundo o premier, serão interrogados sobre os acontecimentos de quarta-feira.

Al-Ganzuri confirmou ainda que o secretário de Segurança de Port Said, Essam Samak, também foi demitido e que outras autoridades da cidade foram suspensas.

O caos explodiu após o fim da partida entre Al-Masry e Al-Ahly.

Centenas de torcedores do Al-Masry, clube de Port Said, invadiram o gramado e atiraram pedras e garrafas contra os torcedores do Al-Ahly, equipe do Cairo.

Pelo menos 79 pessoas morreram e centenas ficaram feridas.

O Exército foi mobilizado na cidade, que fica na entrada norte do canal de Suez, para evitar novos confrontos. A polícia anunciou a detenção de 47 pessoas.