Após "fico", capitão D'Alessandro comemora nova função no Inter

Conhecido pela habilidade com a bola nos pés e pela técnica refinada para cadenciar o Internacional dentro de campo, o argentino Andrés D'Alessandro também se destaca pelo temperamento explosivo, o que acaba resultando em muitos cartões amarelos e vermelhos. No campeonato Brasileiro de 2011, o meia acumulou várias suspensões pelo terceiro cartão amarelo, a grande maioria por reclamar com a arbitragem.

Contudo, determinado a resolver esta questão disciplinar, o técnico Dorival Júnior resolveu dar a braçadeira de capitão para o meia como forma de fazê-lo se responsabilzar por acalmar o time quando necessário, sendo a voz de Dorival dentro de campo e mantendo também um contato direto com a arbitragem.

E o resultado da nova função começa a surtir efeito: nos dois jogos da Libertadores atuando como capitão, D'Alessandro mostrou estar mais centrado e comedido em relação as reclamações e conseguiu demonstrar maturidade comandando o time gaúcho para a classificação à fase de grupos da Libertadores, após eliminar os colombianos do Once Caldas na fase preliminar do torneio continental.

"Para mim, ser capitão é um reconhecimento pelo meu trabalho, mas aqui não tem um só líder, tem vários. O Bolívar, o Kleber, Tinga e o Guiñazu. Eu assumo esta responsabilidade, mas aqui todo mundo é líder e no grupo não tem vaidades", disse o camisa 10.

O que também está contribuindo para esta nova fase é o carinho do torcedor do Inter, que na ultima semana chegou a fazer vigília em frente a sua casa para pedir que o meia não aceitasse proposta milionária do futebol chinês.

"Nem na Argentina eu vivi algo assim e olha que eu sou argentino. É muito importante para mim este carinho e reconhecimento e isto não tem preço", destacou.