Ginasta aposta na força da família para brilhar em Londres

O ginasta Arthur Zanetti tem uma motivação a mais para conquistar uma medalha na Olimpíada de Londres. O atleta vai contar com o apoio da família durante a competição, isso porque seus pais, irmão e namorada planejam viajar para a Inglaterra e acompanhar o desempenho dele.

Se os familiares realmente forem para a Europa, será a primeira vez que eles o acompanharão fora do Brasil. "Competir nas Olimpíadas é um objetivo alcançado e ter os quatro lá comigo será maravilhoso. Estamos planejando. Se eles forem mesmo, vou ficar ainda mais motivado a competir bem", disse. "Só estou na ginástica por causa deles. Todos estão comigo não só nas horas de felicidade, mas nas de tristeza e dificuldade também," completou.

No início desse ano, Arthur, de 21 anos, venceu o evento-teste realizado em Londres. Mas a vaga para os Jogos veio em outubro do ano passado, com a medalha de prata no Mundial de Tóquio. Após duas semanas de descanso, o atleta voltou a treinar na última segunda feira no Serc/Santa Maria, de São Caetano do Sul, no ABC Paulista.

O ginasta é especialista nas argolas e para subir no pódio nos Jogos Olímpicos terá três principais adversários. O mais forte é o chinês Yibing Chen, ouro no Mundial, além do japonês Koji Yamamuro, bronze na competição de outubro passado e o italiano Matteo Morandi, prata no evento-teste de Londres.

Arthur começou na modalidade sem querer. Observando a rapidez e agilidade do menino em relação aos outros alunos, o professor de educação física da escola em que ele estudava deu a dica para a mãe levá-lo treinar. "Era só recreação. Eu brincava de pega-pega, esconde-esconde, coisa de criança mesmo. Quando fui fazer a avaliação no clube, passei, gostei e não saí mais", contou.

Primeiro do país a ficar entre os três melhores nas argolas em um Mundial, se ganhar a medalha olímpica, o feito será inédito para o Brasil. "É uma chance real. Então, fico mentalizando que vai dar certo. Será uma satisfação muito grande mostrar que não temos talentos só no futebol e em mais um ou outro esporte", concluiu.