Ex-Santos, Narciso assume missão de reacender talentos corintianos

Bem antes de Vagner Mancini ou Dorival Júnior, o quarteto Wesley-Ganso-Neymar-André passou pelas mãos de Narciso, então treinador dos juniores do Santos. E foi com esse talento para formar jogadores que ele, há quatro meses, assumiu os juniores do Corinthians em sua fase menos profícua em revelações das últimas décadas. Narciso tem pela frente a tarefa de reverter esse quadro a partir da Copa São Paulo, que se inicia na próxima semana.

A competição, pesa a favor dos corintianos, Narciso conhece bem. Pelo Santos, foram três participações, sendo a de 2010 com vice-campeonato contra o São Paulo de Lucas e Casemiro, nos pênaltis. "No Corinthians se pensa muito no título, mas não me preocupo nunca com isso. Quero resgatar a tradição que o clube sempre teve em revelar jogadores da base", conta o treinador em entrevista ao Terra nesta quinta-feira.

Narciso descreve o atual time do Corinthians como "muito técnico". O zagueiro Marquinhos, capitão da Seleção Sub-17 em 2011, é a principal aposta, mas não é só. O lateral esquerdo Dener, que jogou a Copa São Paulo deste ano, o volante Fernando, o meia Matheus e os atacantes Paulinho e Douglas também são candidatos a mudar um cenário bastante incômodo. No título brasileiro, só o goleiro Júlio César representava a base no elenco de Tite.

"Quando cheguei aqui, os jogadores tinham um pensamento de lista de dispensa e em dois meses isso mudou. Eu trabalho com muita exigência, com um estilo bem próximo do profissional porque de repente pode pintar a possibilidade", explica Narciso. O esquema tático é sempre o 4-2-3-1, exatamente igual ao time de cima. "O jogador não pode chegar lá e não estar pronto. A missão é revelar jogadores. Quem gasta R$ 6 milhões por ano na base precisa revelar".

O treinador para a Copa São Paulo dá uma pista sobre qual pode ser um dos motivos para o clube ter revelado tão pouco nos últimos tempos. "Nunca tive contato com o Tite. A conversa é sempre entre as duas coordenações. Até hoje só falei com o Mauro (observador técnico). Eu procuro fazer o trabalho normalmente, mas a conversa entre treinadores é interessante. Espero ter mais essa integração em 2012", conta.

A estranha saída após três anos nos juniores do Santos

Com jogadores revelados e bons resultados, como o vice na Copa São Paulo e o título do Paulista Sub-20 em 2009, Narciso deixou o Santos no início da atual temporada após campanha discreta na última Copinha. "Todos me perguntam (por que saiu), mas não sei. Tive um desgaste enorme e mudaram muito a filosofia", conta o treinador.

"Quando mudou a diretoria, acharam que tinha que mudar a postura, o jeito de ser, a questão da porcentagem dos atletas. Não tinha que mudar e sim dar continuidade, porque dava certo", reclama. Na avaliação da cúpula de Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, as categorias de base estavam muito presas a parceiros, caso do Grupo DIS, que levavam jogadores de qualidade ao clube.

Coincidência ou não, a base santista já não tem revelado com a mesma frequência desde a chegada de Muricy Ramalho. Nenhum novo talento surgiu em 2011, ano da saída de Narciso. "Pode não ser pelo trabalho, mas o método colocado talvez dificulte o surgimento de jogadores", diz ele, que espera ter levado a receita ao Corinthians. "Temos muita cobrança, mas vamos fazer o melhor para mostrar grandes atletas".