Ganso recua na venda de direitos para grupo: "foi um pré-acerto"

Após confirmar o acerto da venda de 10% de seus direitos econômicos para o grupo de investimentos DIS (braço esportivo do grupo Sonda) no último dia 10, o meio-campo Paulo Henrique Ganso recuou e alegou que a negociação com o grupo foi apenas um "pré-acerto", com o atleta ainda conversando com o Santos, dono de 45% dos direitos - o DIS possui outros 45%.

"Não houve uma venda, foi um pré-acerto e agora vamos sentar com o Santos e conversar, mas só em janeiro", garantiu o meia nesta terça-feira, após o desembarque do elenco, vice-campeão do Mundial de Clubes, disputado no Japão, em São Paulo, na manhã desta terça.

Mesmo com a venda da parte referente ao jogador previamente encaminhada em favor do DIS, Ganso voltou atrás e alegou que após as férias, voltará a sentar com o clube para discutir o assunto.

"Na verdade (a venda) não foi concretizada, ainda tem algumas coisas para conversar com o Santos, mas a gente vai tentar. Agora, como eu falei é descansar um pouco e depois a gente pensa nisso", afirmou, dizendo que a prioridade no negócio será sempre do clube alvinegro. "O Santos sempre vai ter a prioridade no Paulo Henrique Ganso, mas o momento agora é de relaxar, aproveitar as férias, e aí sim, em 2012, voltar renovado e com a cabeça melhor também".

O percentual, de propriedade do atleta, está avaliado em R$ 5 milhões. O clube alvinegro, por contrato, teria um mês para bancar o valor. De acordo com Ganso, quando afirmou ter negociado os 10% à DIS, o clube - que já estava se preparando em solo japonês para o Mundial - preferiu não exercer o direito de compra. Resignado, ele havia declarado não entender o motivo de o Santos ter se negado pagar a quantia. "Isso eu não sei te falar, estou me perguntando até hoje", alegou o camisa 10 à época.