São Paulo goleia time B do Santos, mas fica fora da Libertadores

Diante de uma equipe B do Santos, o São Paulo não teve dificuldades para fazer 4 a 1 em Mogi Mirim, na última rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo. O resultado, porém, não foi suficiente para assegurar ao time tricolor uma vaga na próxima Copa Libertadores.

Com a vitória do Inter contra o Grêmio, no Beira-Rio, a equipe do Morumbi terminou o campeonato na sexta colocação, com 59 pontos, apenas classificado para a Copa Sul-Americana. Já o Santos, que ainda disputará o Mundial de Clubes no Japão no fim do ano, encerra a competição em 10º, com 53.

Mais motivado desde o início, o São Paulo comandou o primeiro tempo e abriu 3 a 0 com gols de Luís Fabiano, Cícero e Lucas. Até o intervalo do jogo, os comandados de Leão se beneficiavam dos outros resultados da rodada e entravam no G-5, mas um gol de D'Alessandro no clássico entre Inter e Grêmio jogou um balde de água fria na torcida tricolor, ao mesmo tempo em que Elano, de falta, diminuiu para o Santos.

Luís Fabiano ainda marcou o quarto, mas a goleada já pouco importava aos são-paulinos, que dependiam de uma reação gremista no Beira-Rio.

O jogo

A fim de dar ritmo a jogadores que atuaram pouco no ano, Muricy Ramalho, que renovou contrato com o time alvinegro por mais uma temporada durante a semana, poupou os prováveis titulares santistas no Mundial de Clubes para a partida em Mogi Mirim. A exceção foi o meia Elano, recém recuperado de lesão.

No São Paulo, Emerson Leão, que também confirmou a permanência no cargo em 2012, não relacionou Rivaldo e Dagoberto, já fora dos planos do clube, e escalou um time ofensivo para o clássico, com a rapidez de Lucas, Cícero e Fernandinho apoiando Luís Fabiano.

A maior motivação são-paulina foi nítida desde o início. A equipe tricolor dava bastante trabalho para Vladimir, que, aos 7min e aos 8min, teve que fazer grandes defesas em chutes de Luís Fabiano. Aos 12min, porém, o atacante não deu chances para o arqueiro, e abriu o placar de cabeça, após receber cruzamento de Fernandinho.

Com a marcação adiantada, o São Paulo não dava chances para o Santos e criava com facilidade. Aos 25min, Jean acertou a trave alvinegra depois de receber de Denilson. O segundo gol saiu aos 33min, em belo chute de longe de Cícero.

O Santos dava muitos espaços e assistia ao time de Emerson Leão jogar. Aos 38min, Lucas recebeu com liberdade, chuta forte a ampliou, com mais um bonito gol. Os três gols de diferença já na primeira etapa foram um resultado fiel para o que as duas equipes demonstraram em campo.

O São Paulo foi para a segunda etapa dentro do G-5 do Brasileiro. Todos os resultados dos concorrentes diretos favoreciam os paulistas: em Florianópolis, o Avaí vencia o Figueirense por 1 a 0; enquanto Internacional e Coritiba empatavam sem gols os clássicos, respectivamente, contra Grêmio e Atlético-PR.

O conforto são-paulino diminuiu com a notícia de que o Figueirense empatara na Ressacada, mas, em Mogi Mirim, o time de Leão seguia fazendo sua parte e Cícero quase fez um gol de letra aos 4min, desviando após cruzamento de Luís Fabiano.

Mesmo pior, o Santos descontou. Aos 16min, em cobrança de falta frontal, próxima da área, Elano diminuiu. Mas a torcida tricolor se importava mesmo com outra cobrança, quase simultânea: o pênalti convertido por D'Alessandro no clássico de Porto Alegre, que tirava a equipe do G-5.

Aos 35min, Vladimir falhou e sofreu o quarto em chute fraco de Luís Fabiano, mas a goleada já pouco importava aos são-paulinos, que dependiam de uma reação gremista no Beira-Rio.