Fórmula 1 tenta manter domínio no Desafio das Estrelas

Pilotos da principal categoria mundial venceram as cinco edições anteriores em Florianópolis

Em cinco edições realizadas, somente nomes da Fórmula 1 como vencedores. Esta é a história do Desafio Internacional das Estrelas, que volta neste fim de semana ao Kartódromo Arena Sapiens, em Florianópolis. Felipe Massa ganhou em 2006, o alemão Michael Schumacher conquistou o bi em 2007 e 2009, enquanto Rubens Barrichello e Lucas Di Grassi levaram a melhor em 2008 e 2010, respectivamente. 

O retrospecto parece ter animado os pilotos da categoria, que compareceram em número recorde na edição 2011. São dez pilotos, se incluídos o reserva da Ferrari, o francês Jules Bianchi, e o italiano Gianni Morbidelli, que estreia na prova e disputou 70 grandes prêmios na década de 90, além do próprio Di Grassi, test driver da Pirelli. 

Quem chegou mais perto de encerrar o domínio da Fórmula 1 foi Bia Figueiredo, da Fórmula Indy. Vencedora da segunda bateria do ano passado, ela terminou igualada na pontuação com Di Grassi, Felipe Massa e Rubens Barrichello, mas viu o título ir para Di Grassi devido ao critério de desempate que dava mais peso à primeira prova. 

"A turma da Indy está chegando mais perto. O Vitor Meira liderou uma das corridas no ano passado, o Hélio vem para o seu segundo ano no evento e vai andar mais para frente, o Tony sempre andou bem e eu ganhei a última bateria de 2010. Este ano estamos em desvantagem porque os pilotos de Fórmula 1 estão em maior numero, mas quem sabe mesmo assim quebramos essa hegemonia", disse Bia.

Bicampeão das 500 Milhas de Indianápolis, Helio Castroneves volta à corrida com uma receita para quebrar o domínio do pessoal da Fórmula 1. "Como derrotar os pilotos de Fórmula 1? A minha sugestão seria colocar menos curvas, deixar a pista mais oval", brincou. "Eu participando pela segunda vez e agora já conheço a pista, o kart, como acertar a carburação, etc. Então acho que vou me aproximar da galera da ponta, mas essa não é a preocupação. Eu sei que quando se coloca o capacete todo mundo quer ganhar, mas isso é uma grande confraternização para rever os amigos e nos divertimos", alegou.

Entre os possíveis obstáculos à hegemonia das estrelas da Fórmula 1 está o catarinense Leonardo Nienkotter, que há duas semanas se sagrou bicampeão do SKUSA, principal torneio de kart dos Estados Unidos e realizado na cidade de Las Vegas. "A Fórmula 1 reúne os melhores pilotos do mundo e no final de temporada eles estão em forma, além das reações do kart serem rápidas como a de um Fórmula 1. Mas aqui não tem nenhum bobo e qualquer um tem chances de vencer. Espero usar a bagagem do SKUSA para ir bem neste fim de semana. O equipamento do Desafio é totalmente diferente do que usei nos Estados Unidos, mas o ritmo de corrida deve ser o mesmo e isso pode ser uma vantagem para mim".