Padrasto que baleou boxeadora alemã é condenado a seis anos de prisão

A Audiência Territorial de Berlim condenou, nesta segunda-feira, o padrasto da boxeadora profissional alemã Rola El-Halabi a seis anos de prisão, por disparar quatro tiros contra atleta antes de um mundial.

O tribunal considerou culpado Roy El-Halabi, ex-empresário da atleta, que a deixou gravemente feriada ao baleá-la nas mãos, joelhos e pés, no dia 1º de abril, pouco antes da decisão de título contra a bósnia Irma Adler, já dentro do vestiário do ginásio. O acusado também baleou outras duas pessoas antes de ser detido.

O homem de 44 anos reconheceu os fatos, mas negou ter apontado a arma na hora dos disparos. A boxeadora, natural do Líbano e naturalizada alemã, já que se mudou com sua família para a Alemanha assim que nasceu, garantiu durante o julgamento odiar seu padrasto.

Segundo a acusação, o objetivo de Roy era lesioná-la de modo que ela não conseguisse voltar a competir. A procuradoria sustenta que o novo namorado da atleta - então, um homem casado - não era do agrado do padrasto. Além disso, o agressor, natural do Kuwait, teria se sentido profundamente renegado pela decisão da boxeadora de prescindir o padrasto como seu representante. O vínculo entre as partes havia expirado em janeiro de 2011.

Ainda não é possível saber se a atleta de 26 anospoderá retornar aos ringues. Com um cartel impressionante, a peso leve está invicta após 11 vitórias em 11 lutas (seis delaspor nocaute). Campeã europeia de sua categoria em 2007, El-Halabi unificou os títulos mundiais da Federação Internacional Feminina de Boxe (WIBF, na sigla em inglês) e da Associação Internacional Feminina de Boxe (WIBA) em 2009.

Com informações da EFE