Mano elogia segundo semestre e dá dicas de qual base manterá em 2012

Um dia antes de fazer seu último jogo em 2011, o técnico Mano Menezes já preferiu antecipar uma avaliação de como foi o ano da Seleção Brasileira. 

O comandante relembrou as dificuldades enfrentadas pela equipe no primeiro semestre e no começo do segundo, quando acabou derrotada pela França em fevereiro e teve um desempenho ruim na disputa da Copa América. O treinador ressaltou, porém, que após a eliminação na competição na Argentina a equipe começou a se estruturar.

O torneio no qual o Brasil caiu diante do Paraguai nas quartas de final colocou jogadores como Ronaldinho de volta à Seleção e tirou outros que vinham tendo novas oportunidades, como é o caso do zagueiro Lúcio. Mano deu a entender no seu comentário que a base que deve ser convocada para os jogos do início de 2012 é a mesma que disputou os duelos contra Costa Rica e México.

"O jogo de amanhã não vai mudar a avaliação do ano, porque seria injusto com a parte boa e não seria inteligente com a parte que não foi tão boa. Tivemos um primeiro semestre com mais dificuldade, depois da Copa América o time começou a encaixar a ideia mais definida do que deve jogar. Não foi possível de repetir nessa última etapa. A perspectiva que (a equipe) mostrou na segunda parte do ano é boa para continuar na mesma linha ano que vem".

Sobre a partida diante do Egito, o treinador voltou a comentar que não pôde levar ao Gabão e ao Catar sua força máxima por conta da reta final do Campeonato Brasileiro, além de não conseguir colocar para jogar todos os atletas que queria atuam na Europa, como foi o caso do lateral Marcelo e do meia Kaká, cortados por lesão. "Não gosto muito de colocar nível no adversário, não cabe ao técnico fazer isso, seria um desrespeito, vamos encarar o Egito como ele é. Estamos na reta final do Brasileiro, não trouxemos os jogadores que atuam no Brasil e também não pudemos conta com alguns jogadores da Europa, como o Kaká que não pôde vir aqui. Será um jogo parelho, pelo estado que o Brasil está e como o Egito se encontra também".

Mano negou ainda que a equipe esteja cansada pelo fato de ter encontrado condições ruins na partida diante do Gabão. Segundo o treinador, a chegada rápida em Doha, menos de dez horas depois do apito final do árbitro contra os gaboneses, possibilitou que a equipe relaxasse e tivesse o descanso que precisava para o duelo contra os egípcios, nesta segunda-feira, a partir das 15h (horário de Brasília). "Não está cansado, foi possível fazer uma boa recuperação, fpoi tomado cuidado de trabalhar um pouco menos de treinamento para não cansá-los, não estaremos cansados para o jogo teremos condições de fazer um jogo forte".