Treino da seleção brasileira leva fãs ao delírio no Gabão

LIBREVILLE, Gabão - "Eles querem entrar no paraíso", brinca o estudante Kassa Kanfoumi ao observar o tumulto no portão do pequeno estádio de Sibang, no subúrbio da capital Libreville, onde a seleção brasileira está prestes a realizar um treino para o amistoso desta quinta-feira, contra o Gabão.

Kassa enfrentou quilômetros de engarrafamentos para ter o privilégio de ver ao vivo seus ídolos.

Cerca de 3.000 pessoas, a maioria crianças e adolescentes, aguardam na frente dos portões do estádio. Enquanto isso, policiais descem de uma escada com bombas de gás lacrimogêneo, prontos para intervir em caso de confusão.

Não foi preciso. A delegação brasileira, que a princípio tinha previsto realizar um treino fechado, acabou abrindo os portões, para a alegria dos jovens, muitos deles vestindo uniformes escolares. O estádio nunca esteve tão lotado.

"Foi muito difícil entrar. Quase fiquei sem ar porque todo mundo estava empurrando, mas estou muito feliz. Vou poder ver os jogadores", comemorou Crepin Mickala, de 15 anos, muito emocionado ao saber que as estrelas da seleção brasileira vão pisar no mesmo gramado em que ele costuma jogar com seus colegas.

"Não tenho dinheiro para assistir à partida, mas ver o treino também é super legal", explica o jovem, ao lembrar que o ingresso mais barato custa 3.000 francos CFA (4,5 euros), "sem contar com o transporte".

Vestindo uma camisa do Barcelona, Jordan Kassini está deslumbrado por poder finalmente "ver os jogadores ao vivo, de verdade... Eles sempre aparecem na TV mas assim, é o máximo".

No gramado os jogadores fizeram um treino leve, com corrida, um ''recreativo'' sem muito contato físico e algumas jogadas ensaiadas com cruzamentos na área.

Daniel Alves foi o mais aplaudido pela torcida. Cada vez que o lateral do Barça tocava na bola, os jovens gritavam.

Suspenso para a partida desta quinta-feira, ele fez questão de esbanjar simpatia, acenando para os fãs a cada interrupção do treino.

"O pessoal daqui é super carinhoso com a seleção brasileira. Estamos muito felizes de proporcionar esta alergia toda para o povo do Gabão e esperamos poder retribuir esse carinho dentro de campo", declarou Daniel Alves após a atividade.

"Não imaginava ser tão popular. Acho que tem a ver com o clube onde eu jogo (o Barcelona). Queremos fazer um bom jogo para agradar a todos.

O zagueiro Luisão, do Benfica, também se emocionou com a festa da torcida local. "É um orgulho enorme representar o Brasil num país tão distante do nosso. O que vimos aqui é uma lição de vida. Muitas vezes reclamamos da nossa vida por coisas tão pequenas, mas chegando aqui, não tem como não se emocionar ao ver o sorriso das pessoas na passagem da seleção, apesar das dificuldades".

"Vamos tentar retribuir com bom futebol, muita habilidade e jogadas de efeito", prometeu.

Durante o treino, todas as jogadas, até mesmo as menos espetaculares, foram aplaudidas pela torcida.

"Estou feliz demais", disse a jovem Anne-Marie Placca, que estuda num colégio situado nos arredores do estádio. "Não tem Kaká nem Ronaldinho, mas não faz mal. Vi Daniel Alves e Fábio, eles são tão fofos!", comenta a menina, dando gargalhadas com suas amigas.