Pelé cobra "dívida" de Brasil com Santos e vê Neymar próximo de Messi

Apesar de recusar o convite do presidente Luis Alvaro de Oliveira para integrar o grupo do Santos no Mundial de Clubes, em dezembro, Pelé não economiza palavras para dizer o que o clube alvinegro representa em sua vida. Em evento realizado em São Paulo, nesta terça-feira, o ex-jogador falou que até o Brasil "está em dívida" com o time da Vila Belmiro e admitiu o desejo de entregar o prêmio de melhor jogador do mundo para Neymar.

"Fizemos uma grande publicidade do Brasil no mundo. Paramos guerras em outros países, fizemos muita gente gostar do Brasil. O Santos seria o time mais milionário do mundo se o governo brasileiro fosse pagar por tudo o que fizemos pelo País", se vangloriou.

Identificado com o clube até hoje, Pelé vê em Neymar o potencial para ser o melhor do mundo em breve. No entendimento do Rei do Futebol, o camisa 11 santista não está tão longe do argentino Lionel Messi, favorito para a próxima premiação da Bola de Ouro da Fifa e da revista francesa France Football, marcada para o dia 9 de janeiro, na Suíça.

"Já entreguei Bola de Ouro de Melhor do Mundo para o Kaká, o Ronaldinho... Gostaria de entregar para o Neymar também. Até acho que o Messi tem mais experiência e isso pesa na escolha, mas é um páreo duro", elogiou.

Messi e Neymar poderão medir forças pela primeira vez em um campo de futebol no próximo dia 16 de dezembro, caso Santos e Barcelona se classifiquem para a final do Mundial de Clubes, no Japão. Pelé também poderia atuar na partida por alguns minutos, por iniciativa do departamento de marketing santista, mas, aos 71 anos, o ex-atleta recusou a ideia.

"Seria uma 'fria' que o Santos queria me colocar, não tenho condições. O Santos tem que levar o Mundial a sério para não repetir o Internacional (eliminado nas semifinais do torneio em 2010, derrotado pelo Mazembe, da República Democrática do Congo). Mas se passar para a final, em um jogo só, é possível ganhar do Barcelona. O Santos também é um grande time", analisou.