Tive fobia e desespero de nadar, diz brasileira eliminada

Uma brasileira avançou e outra foi eliminada na semifinal dos 100 m borboleta do Pan-Americano de Guadalajara. Decepcionada, Gabriella Silva tentou justificar o desempenho, mas não conseguiu. Na hora de conceder entrevistas, ela estava muito nervosa e, com a voz tremendo, disse apenas que sentiu fobia durante a prova.

"Antes de cair na água comecei a ficar muito nervosa", afirmou. "Não de ansiedade, mas de uma fobia de saber que eu ia nadar. Nunca tinha me sentido assim antes. Nos primeiros 30 m minha vontade era parar de nadar e sair da água. Não me senti feliz fazendo isso, não senti prazer nenhum em cair na água".

A atleta, que cravou 1min02s86 e ficou na décima colocação entre as 23 participantes das eliminatórias da prova, viu a compatriota Daynara de Paula se classificar à final com o terceiro melhor tempo (1min00s25). As líderes foram as americanas Claire Donahue e Elaine Breeden.

Devido a uma lesão no ombro, Silva ficou cerca de seis meses afastada das competições nesta temporada, mas não quis culpar a falta de ritmo pelo mau desempenho. O problema foi mesmo um "fator psicológico muito forte", conforme ela disse: "não sei se era medo de me machucar, mas eu fiquei desesperada quando caí na água. Não sei explicar".