Ucraniano "linha dura" volta a comandar seleção brasileira de ginástica

Comandante da seleção brasileira de ginástica artística feminina entre 2002 e 2008, período marcado por conquistas como a primeira medalha de ouro do País em mundiais (com Daiane dos Santos, em 2003), o ucraniano Oleg Ostapenko, famoso pelo estilo "linha dura", retorna ao cargo através do patrocínio de um grupo de empresários e do Governo do Estado do Paraná.

Ostapenko será assistido por sua esposa, Nadijia Ostapenko, treinadora de coreografia, e contará com orçamento de R$ 3,5 milhões por ano para treinar as ginastas brasileiras no CEGIN (Centro de Excelência de Ginástica), em Curitiba (PR), que passa por reformas para melhorar a estrutura.

"O nosso objetivo é desenvolver modalidades esportivas para, em longo prazo, posicionar o Brasil como uma potência olímpica", declarou João Paulo Diniz, dono do grupo Pão de Açúcar e presidente do Movimento LiveWright, grupo de empresários que se uniram para incentivar o esporte nacional.