Gustavo, zagueiro do Flamengo, diz se arrepender de agressão a Liédson

Desde que chegou ao Flamengo, após o Carioca deste ano, o zagueiro Gustavo vem colecionando amigos e fãs dentro do elenco rubro-negro. Apesar de ser um pouco tímido, o jogador não demorou muito para se enturmar com seus novos companheiros. Logo nos primeiros treinamentos ganhou o apelido de "Geladeira", por causa do seu tamanho e hoje é ele quem coloca apelido em alguns jogadores.

"As pessoas falam mesmo que eu sou grandão e que assusto quando não me conhecem (risos), mas sou um cara tranquilo, um cara bem família e também de grupo. Você pode ver que me dou bem com todo mundo, graças a Deus, e acho que isso é muito importante. Estou muito feliz aqui com meus companheiros de trabalho e sei que eles estão comigo", disse Gustavo.

Normalmente, Gustavo é um dos primeiros jogadores a se aprontar antes dos treinamentos, no CT em Vargem Grande. Ele tem o costume de se sentar do lado de fora do vestiário, onde antigamente era realizada as entrevistas coletivas do CT e esperar os seus companheiros se arrumarem para depois começar a conversar com eles até o treino começar. Enquanto espera os colegas, Gustavo bate-papo com membros da comissão técnica ou funcionários do clube.

"Não gosto e nem preciso fazer média com ninguém. Mas o Gustavo é um jogador muito tranquilo. Ele é um cara de bem, fica na dele, brinca e aceita brincadeira. Acredito que o fato que aconteceu com ele no jogo contra o Corinthians foi isolado e nunca havia acontecido na carreira dele. Quem parar para ver toda a fita do jogo, poderá perceber que teve outras coisas envolvendo aquele lance. Toda ação gera uma reação e aquela foi a dele. O Gustavo é muito querido no nosso grupo e terá sempre todo o nosso apoio", contou o meia Renato, um dos jogadores mais experientes do grupo.

Sereno e educado, Gustavo contou que ficou muito chateado ao rever as imagens na televisão. O zagueiro disse que pediu desculpas aos seus amigos e familiares e prometeu que aquilo nunca mais voltaria a acontecer, já que ele aprendeu a lição.

"Fiquei envergonhado com a situação toda. Não sou assim e já aprendi com a lição. Ele estava falando besteiras para mim, é um companheiro de profissão, um bom jogador", afirmou Gustavo.

A tranquilidade de Gustavo não encanta apenas os jogadores e funcionários do Flamengo. No jogo contra o Atlético-PR, o zagueiro assistiu a partida na tribuna de honra do estádio em Macaé. Quando foi reconhecido pelos torcedores, o jogador foi muito assediado. Ele tirou fotos e distribuiu autógrafos, deixando adultos e crianças felizes.

Site do Fla