30 meses de Neymar: entenda por que ele é um homem de ferro

Foi em 7 de março de 2009, há exatos 30 meses, que o futebol brasileiro conheceu Neymar. Contra o Oeste de Itápolis, em uma noite de domingo, no Estádio do Pacaembu. Sob o comando de Vagner Mancini, ele saiu do banco de reservas na segunda etapa e deu início a uma história que, hoje, já chegou a qualquer esquina de Alemanha, Peru, Inglaterra ou Paraguai, alguns dos países onde ele já fez gols.

Em dois anos e meio de futebol profissional, além dos gols, assistências e títulos, Neymar coleciona outra marca impactante: nenhuma contusão sofrida. Nesse período, ele ficou fora de duas partidas por problemas físicos pontuais, mas nunca se lesionou. Algo ainda mais incrível se for observado o quanto ele, hoje com 65 kg distribuídos por 1,74 m, apanhou.

No Campeonato Brasileiro de 2010, 146 faltas recebidas. No Campeonato Paulista e na Copa do Brasil, mais 106. Em 2011: 45 no Sul-Americano Sub-20, 58 na Copa Libertadores, 60 no Campeonato Paulista, 13 na Copa América e mais 58 no Campeonato Brasileiro. Neymar foi derrubado quase 500 vezes só nessas competições. Em todas, esteve pelo menos entre os cinco mais caçados. Mas não se machucou.

Para Luiz Fernando Barros, fisiologista do Santos, Neymar é também quase um fenômeno físico. "Existe um fator de musculatura mais desenvolvida, mas sem dúvida ele é um atleta que tem uma característica invidual de poucas lesões, um equilíbrio muscular incrível e a previsão de como vai ser a jogada para se proteger", explica.

No cargo desde o fim de 2009, Luiz participou do processo que ajudou Neymar a ganhar corpo, o que ajuda a explicar sua resistência às pancadas e, pouco a pouco, menos "mergulhos" propositais para cavar faltas. "No atleta, buscamos menos estética, como no braço ou no peito. O tratamento dele é funcional para aguentar trancos e ter mais força e velocidade", relata. "Isso até se traduz na redução dos riscos de lesão".

Foi dessa forma que Neymar, em 30 meses, ganhou 10 quilos sem praticamente aumentar sua altura, chegando a seus 1,75 m atuais. "Geneticamente falando, acho que até nisso ele deu sorte na vida", define Celso de Rezende, atual preparador físico do Internacional e que trabalhou no Santos ao lado de Dorival Júnior. "Ele tem um percentual de gordura adequado ao futebol e isso ajuda muito".

Além de ver Neymar como alguém fisicamente privilegiado, Celso também relata um entusiasmo nos treinos e rigor em relação à alimentação. "Tivemos a honra de ser um dos primeiros a trabalhar com ele e posso garantir que se cuida muito. Tem uma vida agitada devido ao status que atingiu, mas se cuida, se alimenta bem, não bebe e é exemplo de profissional. É um garoto que segue tudo o que passamos", acredita.

Nesses dois anos e meio, além de ostentar uma incrível média de quase 0,5 gol por jogo (71 gols em 145 partidas), Neymar também pode se dizer um homem de ferro. Nenhum atleta do elenco santista conseguiu, em 30 meses, ficar imune às lesões e apanhando tanto. "Quanto mais batem, mais ele quer jogar", brinca Celso.