De Rose nega favorecimento a Solberg em caso de doping

Representante da ABA (Agência Brasileira Antidoping) e maior autoridade brasileira em doping, Eduardo de Rose negou ter qualquer intenção de favorecer o jogador de vôlei Pedro Solberg ao pedir que a FIVB (Federação Internacional de Vôlei) retirasse a suspensão preventiva ao atleta, que testou positivo para o esteroide androstano, em maio. O médico declarou ao jornal Folha de S. Paulo que tomou a atitude por ter dúvidas técnicas sobre a realização do processo.

Negando ter qualquer relação com a defesa de Solberg, De Rose admitiu que não costuma tomar atitudes como a do caso em questão, mas argumentou que ficaria chateado se um atleta fosse punido por um problema técnico. O médico ainda explicou que o pedido de retirada da suspensão preventiva não questionou o trabalho do Ladetec, laboratório do Brasil autorizado a realizar testes antidoping, mas sim o processo utilizado para manter a integridade da amostra de urina, que neste caso cabia ao sueco IDTM. O Ladetec não foi consultado pela FIVB a respeito de uma suposta falha na realização dos exames de Solberg.