Brasil despacha Japão no Sub-17, mas perde Adryan para a semi

Com uma atuação segura e gols no início de cada etapa, o Brasil acabou com a "sensação" Japão no Mundial Sub-17 neste domingo, em Querétaro (MEX), ao vencer por 3 a 2 e avançar às semifinais da competição. Os asiáticos haviam se classificado em primeiro lugar de seu grupo e goleado a Nova Zelândia por 6 a 0 nas oitavas de final, mas não jogaram sua melhor partida - apesar de terem marcado duas vezes no final e assustado os comandados de Emerson Ávila.

Os gols brasileiros foram marcados por Léo, Ademilson e Adryan - este último, após linda jogada individual. O camisa 10 da Seleção, porém, recebeu o terceiro cartão amarelo por falta dura no meio de campo e está fora da semifinal contra o Uruguai, na próxima quinta-feira, em Guadalajara. Nakajima e Hayakawa descontaram para o Japão.

Se perdeu Adryan para encarar os uruguaios, o Brasil terá dois retornos importantes à equipe titular: Nathan e Lucas Piazon, que não enfrentaram os japoneses por suspensão.

A Seleção começou em ritmo acelerado e abriu o placar logo aos 15min: Adryan bateu escanteio pela esquerda e Léo se antecipou à zaga nipônica para desviar de cabeça para o fundo das redes. A equipe brasileira seguiu melhor durante toda a primeira etapa e Léo teve a chance de ampliar após lindo passe de Guilherme, mas isolou.

No segundo tempo, o Brasil repetiu a dose e marcou duas vezes logo no início. Aos 2min, Guilherme cruzou, Ueda falhou no corte e o centroavante Ademilson aproveitou para fazer o segundo. Com 14min, Adryan apareceu novamente. O meia do Flamengo deu belo drible de letra sobre o lateral Kawaguchi e chutou forte de pé esquerdo, marcando 3 a 0.

Em larga desvantagem, o Japão se lançou à frente e conseguiu diminuir no final. Aos 31min, após boa troca de passes, Nakajima entrou livre na área e bateu no contrapé do goleiro Charles. Aos 42min, houve um bate-rebate em cobrança de escanteio e Hayakawa apareceu sozinho para escorar para as redes. Os asiáticos continuaram pressionando até o final, mas a reação não foi completa.