Argentina sofre pressão para ganhar Copa América

O técnico da Argentina, Sergio Batista, admitiu nesta quinta-feira que sua equipe enfrenta o peso do favoritismo e a obrigação de conquistar a Copa América.

"Esta Copa América não será fácil, há muitas equipes de grande nível, é um torneio muito parelho, e se pensam que vamos à final antes de jogar a primeira partida, estão muito enganados", advertiu Batista sobre a expectativa em torno da seleção local.

Batista destacou que além da Argentina, o Brasil também é "favorito" por sua "história", mas lembrou que "com apenas a camisa não se ganha".

"Há muitas seleções que desde a Copa do Mundo da África do Sul evoluíram bastante, como Uruguai e Paraguai, além da Colômbia e do Chile, e Argentina e Brasil não poderão jogar apenas com sua história, vão precisar mostrar futebol".

O técnico confirmou o time que jogará nesta sexta-feira contra a Bolívia, que terá Sergio Romero, Javier Zanetti, Gabriel Milito, Nicolás Burdisso, Marcos Rojo, Esteban Cambiasso, Ever Banegas, Javier Mascherano, Ezequiel Lavezzi, Lionel Messi e Carlos Tevez.

Sobre a presença de Tevez no ataque, (Inglaterra), após os desentendimentos com o jogador, Batista disse que "ele me convenceu que tem lugar no time".

"Tevez pode render mais com Messi do que (Angel) Di María", destacou o técnico, negando que o "clamor popular" tenha influênciado em sua decisão.