Grêmio e espanhois competem com Palmeiras por Martinuccio, diz dirigente

Enquanto não formaliza ofertas para contratar o meia-atacante Alejandro Martinuccio, o Palmeiras começa a ver a concorrência pelo jogador do Peñarol aumentar. Além do Grêmio, primeiro clube a oficializar o interesse pelo jogador, clubes de Espanha e Itália estão de olho no camisa 10. Ou pelo menos é o que assegurou o vice-presidente do time uruguaio, Edgar Welker, em entrevista exclusiva ao Terra.

Horas antes de Martinuccio entrar em campo para defender o Peñarol contra o argentino Vélez Sársfield, pela ida da semifinal da Copa Libertadores da América, Welker afirmou que a procura pelo camisa 10 está aumentando. Contudo, nenhum clube realizou ofertas oficiais - apenas procuraram o clube de Montevidéu para declarar o interesse no atleta.

"Vários clubes nos procuraram para saber se poderíamos vender o Martinuccio e por qual valor. Ainda não há nada concreto, apenas inquietações de mercado", explicou Welker. "Há outros times que querem o atleta, como o Grêmio, o Bologna e uma equipe da Espanha que também nos procurou; uma equipe grande e muito importante", emendou o dirigente, que não quis antecipar quais espanhois querem o argentino.

Embora a confiança palmeirense sobre a contratação de Martinuccio seja grande, e a própria imprensa uruguaia dê o Parque Antártica como o destino mais provável do argentino, o Peñarol afirma ainda estar à espera de propostas. E não se importaria de negociar o atleta durante Libertadores.

"Geralmente preferimos negociar depois dos torneios, para não gerar expectativas e nem distrair o jogador. Mas este caso já é público. Se as conversações se iniciem, que sejam inteligentes e sérios", pediu o dirigente do Peñarol, conformado com a iminente saída de Martinuccio. "Trata-se de um grande atleta, muito profissional, que cresceu muito aqui, mas que durará pouco no nosso clube. O mercado uruguaio não é forte ao ponto de segurá-lo".

Com a ida do Peñarol às fases decisivas da Libertadores e o interesse de clubes europeus pelo meia-atacante revelado pelo pequeno clube portenho Nueva Chicago, atualmente na terceira divisão do Campeonato Argentino, os direitos econômicos de Martinuccio inflacionam - e o próprio Welker admite que o jogador ficará mais valorizado caso os uruguaios avancem no torneio continental. Enquanto antes era especulado que o Palmeiras precisaria pagar US$ 1,5 milhão pelo jogador, agora os uruguaios já falam de US$ 4,5 mi (cifras que subiram de R$ 2,5 mi para R$ 7,3 milhões).

"Ainda não há um valor estipulado, um preço fixo. Mas é um negócio que precisa girar em torno deste valor de US$ 4,5 mi, descontados alguns gastos que teremos", disse o cartola. As despesas do Peñarol seriam a aquisião em definitivo de Martinuccio, cujos direitos estão ligados a um grupo de empresários argentinos.

O contrato do meia-atacante com o Peñarol termina no próximo 31 de agosto, mas o clube uruguaio possui o direito de adquiri-lo em definitivo por US$ 1,2 milhão (quase R$ 2 milhões). Em seguida o atleta teria parte dos direitos repassados ao Palmeiras - ou a quem vencer a concorrência pelo camisa 10.

"Nossa ideia é vender 80, 85% dos direitos do jogador. Sabemos que ele tem mercado", avisou o dirigente do Peñarol, que quase negociou Martinuccio há alguns meses com uma equipe russa - a transação, porém, não foi concluída.