"Desconhecido", heroi do Coritiba supera problemas e faz história

Autor do gol da vitória do Coritiba, na noite da última quarta-feira, sobre o Ceará, Anderson Aquino foi o heroi do time na conquista inédita de uma vaga na final da Copa do Brasil. Com passagens em vários clubes e sem se firmar, Anderson Aquino, 24 anos, ainda não é tão conhecido dos adversários, e foi assim contra o clube nordestino.

Marcelo Nicácio, na véspera do jogo, sequer sabia o nome do companheiro de Rafinha e Davi, jogadores apontados por ele como jogadores do Coritiba mais perigosos.

Para Nicácio, Aquino era "aquele outro que joga por ali na linha do meio, que não lembro o nome". Mas depois do gol marcado, o atacante do clube alviverde tem certeza que Nicácio vai lembrar do seu nome por muito tempo.

"Às vezes acontece de esquecer. O Nicácio é um grande jogador, está numa boa temporada até agora. Não tem problema não, mas ele acabou conhecendo. Tenho certeza que não vai esquecer tão rápido isso aí", brincou Anderson.

Mas para conseguir deixar seu nome gravado na memória, não só de Nicácio, mas nos anais da Copa do Brasil, Anderson Aquino enfrentou uma trajetória complicada. Em outubro de 2010, o jogador rompeu parcialmente o ligamento colateral do joelho direito em um jogo pelo Paraná, contra o Icasa, pela Série B.

Emprestado ao time tricolor pelo Atlético-PR, clube que o revelou, Anderson viveu um impasse até que os dois clubes definissem quem faria e onde seria realizada a cirurgia.

A lesão causou um problema ainda maior na carreira do jogador. Sem poder atuar até o final do ano passado, ele teve seu futuro dado como incerto no Paraná e teve o vínculo com o Atlético-PR rompido.

Ainda em fase de recuperação, Aquino virou uma aposta do Coritiba, pelo histórico que trouxe em 2010, artilheiro do Olimpi Rustavi, da Geórgia, com 26 gols, antes de retornar do empréstimo ao Atlético-PR, e um dos destaques do Paraná na Série B.

E foi como aposta, com aval do técnico Marcelo Oliveira, que Anderson reencontrou o caminho e quer deixar para trás os percalços que o atrapalharam.

"No Atlético-PR tive poucas oportunidades, acabei não jogando. O Atlético-PR é passado e o Paraná também. No Coritiba estou feliz, é um elenco maravilhoso da defesa ao ataque, todo o grupo é qualificado. O futebol nos proporciona isso, às vezes você esta mal e três dias depois pode dar a volta por cima", comemorou o jogador.

E para chegar à condição de titular no Coritiba, foi outro caminho longo. Anderson foi contratado em dezembro, mas tinha Leonardo e Bill como "concorrentes". Acabou aproveitando as oportunidades que surgiram. Mas teve de fazer sacrifícios antes de ganhar a primeira chance.

E hoje o jogador tem mais um motivo para comemorar, depois das renúncias desde dezembro para se condicionar como candidato a um dos homens do ataque alviverde.

"Poucas pessoas sabem, mas eu abdiquei das minhas férias para fazer o tratamento e começar a temporada bem. Fiquei as férias todas fazendo tratamento de manhã, tarde e noite. E os frutos estou colhendo agora, plantei coisa boa no começo do ano com sacrifício para poder ter a compensação agora. Agora estou feliz com o Coritiba fazendo história", contou o jogador.