Blatter nega envolvimento com acusação a seu rival na Fifa

 

O presidente da Federação Internacional de Futebol, Joseph Blatter, negou nesta quinta-feira qualquer envolvimento com as acusações de corrupção contra seu adversário na próxima eleição da Fifa, o catariano Mohamed Bin Hammam. 

Em um artigo publicado no blog InsideWorldFootball, Blatter qualificou de ridículos os comentários de que as acusações contra Bin Hammam são motivadas por interesses políticos envolvendo as próximas eleições à presidência da Fifa. 

"Não aproveito em nada o fato de ver pessoas que conviveram comigo durante décadas sofrer humilhação pública. Supor que a adversidade que atinge meu adversário é motivo de satisfação é algo ridículo e totalmente repreensível’, disse Blatter. 

O presidente da Fifa também aproveitou a ocasião para recordar suas propostas como candidato ao quarto mandato à frente da organização internacional, com uma ‘gestão transparente, limpa e profissional’. 

O comitê ético da Fifa abriu na quarta-feira uma investigação contra quatro responsáveis da organização, incluindo Mohammed Bin Hammam e Jack Warner, por ‘possíveis violações’ do código de ética e suposta ‘fraude’ visando à eleição. 

Bin Hammam pediu hoje uma investigação sobre Blatter, que segundo o catariano estaria envolvido nas acusações contra ele. 

"Na medida em que as recentes acusações mencionam igualmente o presidente em exercício, Joseph Blatter, Mohammed Bin Hammam pede que as investigações também incluam Blatter’, destaca o serviço de imprensa do catariano. 

Segundo Hammam, ‘as acusações revelam que Blatter sabia dos supostos pagamentos a alguns dirigentes do Caribe e não se manifestou sobre a situação’. 

O escândalo explodiu quando Chuck Blazer, membro do comitê executivo da Fifa e secretário-geral da Concacaf, alertou no dia 24 de maio a Jerôme Walcke, secretário-geral da entidade, sobre ‘possíveis violações do código de ética’ cometidas por dirigentes. 

Blazer citou uma reunião da Confederação do Futebol Caribenho, aparentemente organizada por Warner e Bin Hammam nos dia 10 e 11 de maio para tratar das eleições da Fifa.