Rioprevidência vai agendar atendimento pela internet a partir de junho

O Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Rioprevidência) lançará, em junho, mais uma ferramenta para seus segurados: o atendimento agendado pela internet. O anúncio foi feito pelo presidente da autarquia, Gustavo Barbosa, durante o evento de comemoração dos 120 anos da previdência, na última sexta-feira (20/5), no Rioprevidência Cultural, no Maracanã.

O serviço já é oferecido pelo teleatendimento, através do número 0800 285 8191, e nas próprias agências, caso o segurado precise retornar para concluir algum procedimento. Segundo Gustavo, a ferramenta visa oferecer mais conforto a servidores, aposentados e pensionistas.

- Sempre coloco para os nossos servidores que eles têm a obrigação de, no mínimo, atender bem, tratar o segurado de forma adequada e digna, porque é dos rendimentos dos segurados que sai o salário dos servidores, eles são nossos maiores patrões – analisa Gustavo.

O agendamento, na opinião do presidente, tem revolucionado a prestação de serviços pelo Rioprevidência. A partir dele, foi possível conferir previsibilidade ao atendimento e reorganizar o trabalho.

- Nos postos do interior, por exemplo, é possível deslocar as equipes onde a demanda é maior, evitando que os servidores fiquem ociosos em um local e sobrecarregados em outro. Além disso, reduz o tempo de espera nas agências e torna o atendimento mais eficaz, porque o atendente tem acesso prévio ao problema do segurado – diz.

Outra grande conquista para aposentados e pensionistas é a concessão de pensão em tempo real, que leva, no máximo, 30 minutos. Antes da unificação do Instituto de Previdência do Estado do Rio de Janeiro (Iperj) com o Rioprevidência e a modernização do sistema previdenciário, promovida ao longos dos últimos quatro anos, o benefício era concedido em até 12 meses.

Após a revisão de 60 mil pensões, concluída em 2010, o objetivo agora é realizar uma auditoria nos processos para verificar se os benefícios são pagos adequadamente. De acordo com Gustavo Barbosa, a iniciativa demanda muito tempo e energia, já que as concessões são analisadas caso a caso. A meta é desonerar a folha de pagamento, a partir da extinção de benefícios irregulares.