Bin Hammam nega acusações de corrupção da Fifa

O qatari Mohamed Bin Hammam, candidato à Presidência da Fifa, convocado pela comissão de ética da entidade sob suspeitas de corrupção, negou as acusações em uma nota divulgada à imprensa.

"Hoje (quarta-feira) tem sido um dia difícil e doloroso para mim. Mas se ainda resta um pouco de justiça neste mundo, por menor que seja, essas acusações vão por água abaixo", declarou o dirigente, que ocupa o cargo de presidente da confederação asiática, nesta nota.

Bin Hammam ainda denunciou uma "manobra da parte de pessoas que não confiam na própria capacidade de vencer as eleições da Fifa".

Nesta quarta-feira pela manhã, a comissão de ética da Fifa abriu uma investigação contra Bin Hammam e três outros dirigentes, inclusive Jack Warner, vice-presidente da entidade, por "possíveis violações" do código ético e "alegações de suborno".