Futebol brasileiro é amador fora de campo, critica empresário

Os cinco títulos mundiais, os inúmeros craques e a marca de excelência não poupam o País do Futebol das críticas do empresário J. Hawilla, dono da Traffic, uma das principais empresas de marketing esportivo da América do Sul. Ele ataca o despreparo nacional no esporte preferido pela sua população.

- O futebol brasileiro é extremamente desorganizado, é amador fora do campo - afirmou nesta terça-feira (24), em seminário da Associação de Marketing Promocional, em São Paulo.

Apesar de contundente nessa avaliação, Hawilla mostrou-se esperançoso com as consequências dos megaeventos programados para o Brasil.

- A Copa do Mundo cria um ambiente de otimismo no país. Vai deixar o mais importante legado, que é o cultural. Vai ensinar o torcedor a ter disciplina e organização; e o dirigente a ser sério - previu.

- O Brasil vai mudar, seu futebol vai ser outro. A Olimpíada (de 2016, no Rio de Janeiro) também trará esse legado cultural para que se organizem melhor as competições menores.

Os dois mais populares clubes do País serviram como exemplo negativo do atraso nacional.
- O Corinthians, com 25 milhões de torcedores, e o Flamengo, com mais de 30 milhões, não conseguem transformar seus torcedores em consumidores. Não falam com eles, ao contrário do que acontece na Europa - reclamou J. Hawilla.

- Têm mais de 100 anos e não possuem estádio. É uma coisa inadmissível em termos de gestão.

Papel mundial

O empresário lamentou que a Federação Internacional de Futebol (Fifa) limite a exploração de sua maior competição, concentrando-a nas mãos dos grandes agentes do mercado global.

- A Copa já vem todinha vendida. Não sobra nada para o país-sede em termos de merchandising e divulgação.

Ele avalia que os brasileiros precisam aproveitar o cenário favorável e as perspectivas de crescimento:
- Esta década, até 2020, é a do Brasil, o país da hora, o país do momento. Os Estados Unidos estão em crise. A Europa está velha. O Japão cresce a menos de 1% ao ano. A Rússia tem muitas dificuldades. China e Índia estão muito distantes.