Rivaldo diz que chorou no vestiário: "não vim aqui para passear"

O desabafo de Rivaldo contra o técnico Paulo César Carpegiani retratou a decepção são-paulina depois da eliminação do clube da Copa do Brasil. No início da madrugada desta sexta-feira, o experiente meia-atacante manteve o forte discurso nos vestiários após a derrota por 3 a 1 para o Avaí, e disparou contra o atual comandante do clube, que o preteriu no confronto em Santa Catarina.

"Chorei dentro do vestiário, não tenho sangue de barata. Tem muito jogador jovem, mas que necessita de jogadores experientes ao lado para jogar. Eu tenho condições de estar jogando. Não vim aqui para passear", discursou o camisa 10 são-paulino, depois de toda a polêmica criada depois do revés no Estádio da Ressacada.

Ignorado por Paulo César Carpegiani no confronto diante do Avaí, Rivaldo procurou ressaltar as próprias qualidades para justificar a vontade de entrar em campo.

"Tenho muita lenha para queimar. Tenho condições de jogar. Posso jogar mais. Posso ser criticado, mas é coisa de jogo. Não sou o Lucas, mas eu sei colocar a bola onde eu quero", afirmou o experiente jogador são-paulino antes de ir embora do estádio.

"Contava com esse título", diz Rivaldo

Além da mágoa por ter sido "esquecido" por Paulo César Carpegiani no jogo desta quinta-feira, Rivaldo não escondeu a decepção com a eliminação nas quartas de final da Copa do Brasil, competição nunca conquistada pelo clube do Morumbi.

"Fiquei nervoso, fiquei fora de mim. Já estava contando com este título. com todo respeito ao Avaí e aos outros times, mas nós merecíamos chegar à final", discursou Rivaldo, antes de descartar qualquer chance de deixar o São Paulo neste momento.

"Quero cumprir meu contrato. Estou tendo um carinho enorme aqui. Não joguei, mas sinto na pele essa pele. Quando eu vejo um título assim indo para o ar, me sinto mal. Por onde passei conquistei títulos", encerrou o meia-atacante.