Lula promete estratégia para Corinthians conquistar a Libertadores

A obsessão corintiana pela conquista da Copa Libertadores da América acabou incorporada até pelo ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Na noite desta quinta-feira, o político assegurou que entrará no dia a dia do clube do Parque São Jorge para acabar com o estigma de fracasso do time alvinegro na principal competição do continente sul-americana.

"Eu vou conversar com o Andrés (Sanchez, presidente do Corinthians) e montar uma estratégia para o Corinthians ser campeão da Libertadores. O Corinthians precisa de um estrategista", disse Lula, na entrada do 52º aniversário do Sindicato dos Metalúrgicos, evento realizado na cidade de São Bernardo.

Em mais de 100 anos de história, o Corinthians não conseguiu igualar os rivais São Paulo, Palmeiras e Santos e conquistar o torneio sul-americano. Ao todo, o clube alvinegro soma nove participações, e a melhor campanha ocorreu no ano de 2000, quando a agremiação acabou eliminada na semifinal pelo arquirrival Palmeiras.

Enquanto não sonha novamente com a conquista da América, o Corinthians concentra na final do Campeonato Paulista. No domingo, na Vila Belmiro, a equipe da capital enfrentará o Santos, precisando de uma vitória para vencer o Estadual pela 27ª vez - um empate diante do rival forçará a decisão nos pênaltis, já que no primeiro duelo, no Pacaembu, os times ficaram no empate sem gols.

Apesar do tropeço em casa, Lula demonstra confiança nos jogadores comandados por Tite. "Nós mostramos no primeiro jogo um preparo psicológico muito melhor, controlamos mais as emoções do jogo", analisou o ex-presidente da República.

Somado ao sonho corintiano de vencer a Libertadores, o torcedor da equipe alvinegra também conta os dias para a construção do estádio, que será sediado em Itaquera. Ao tratar sobre o assunto, Lula adotou uma postura séria e sucinta.

"Isso é um problema do clube, mas que o estádio deve sair, deve sair. Cabe ao governo disponibilizar recursos por meio do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e cuidar da infraestrutura", completou.