Mourinho 'vai se defender até o fim', disse seu assistente

MADRI - O auxiliar do português José Mourinho no comando da equipe do Real Madrid, Aitor Karanka, afirmou nesta sexta-feira, depois de revelada a suspensão de cinco partidas do treinador, que o técnico luso "vai se defender até o fim".

"Creio que o clube já divulgou um comunicado afirmando que vai recorrer porque ainda não sabemos qual é o motivo da punição, nem ele (Mourinho), particularmente, pois também vai se defender até o fim", disse Karanka em uma entrevista coletiva à imprensa após o treino da equipe da capital espanhola.

O auxiliar merengue, que compareceu ao tribunal no lugar de Mourinho, deu a entender que o técnico português recebeu mal a notícia da punição: "Quando você recebe uma punição dessas, nunca recebe bem, e, muito menos, quando não te explicam o motivo dela".

Karanka insistiu que foi Mourinho quem decidiu que o assessor compareceria à coletiva em seu lugar e deixou aberta a incógnita de se o treinador português voltará a conceder entrevistas à imprensa nas quatro rodadas que restam do Campeonato Espanhol.

"No momento sou eu (o entrevistado), e será preciso conversar com ele, também não vamos adiantar o que vai acontecer na semana que vem". "Amanhã (sábado) tem jogo, e já se verá como as coisas vão acontecer", disse Karanka.

"Tanto o clube como ele (Mourinho) vão à justiça se defender e mostrar o que aconteceu, mas agora não quer fazer comentário algum", afirmou.

A Uefa puniu José Mourinho com uma suspensão de cinco partidas por causa de suas declarações sobre o juiz de um jogo contra o Barcelona.

Mourinho já ficou de fora de uma primeira partida, o jogo de volta da 'Champions' contra o Barcelona em Camp Nou, e deve cumprir a punição nas próximas três partidas.

A quinta partida ficará condicionada ao fato de reincidir ou não em seu comportamento nos próximos três anos. Além disso, ele terá de pagar uma multa de 50.000 euros.

Em entrevista coletiva à imprensa após a partida contra o Barcelona, Mourinho fez comentários explosivos, questionando o treinador adversário, Pep Guardiola, a Uefa e o presidente da Federação Espanhola de Futebol.