Ecclestone é envolvido em caso de corrupção na Alemanha

O patrão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, está envolvido em um caso de corrupção investigado pelas autoridades de Munique, revela a edição deste sábado do jornal alemão Süddeutsche Zeitung.

Ecclestone, 80 anos, teria inclusive viajado a Munique para um depoimento, e foi "cooperativo" com os investigadores, destaca o jornal.

No depoimento, o patrão da F1 teria negado a acusação de pagamento de suborno a um dirigente de um banco estatal da Bavária, o BayernLB, detido pelas autoridades de Munique em janeiro passado por fraude, corrupção e sonegação fiscal.

O caso está ligado à venda de ações na Fórmula 1 e há suspeitas do envolvimento de Ecclestone ou do seu grupo empresarial Bambino em transações fraudulentas.

Gribkowsky, ex-diretor de negócios de risco do BayernLB, foi o responsável pela venda, em 2006, dos direitos comerciais da Fórmula 1 à administradora de fundos britânica CVC.

Segundo a promotoria, Gribkowsky recebeu um total de "50 milhões de dólares (38 milhões de euros) ocultos em dois contratos de assessoria, que foram pagos por empresas de fachada na Áustria".

Süddeutsche Zeitung afirma que a promotoria de Munique suspeita que este dinheiro, ou parte dele, pode ter vindo de Ecclestone.