Após tragédia, pilotos criticam curva "mais perigosa do Brasil"

Um dia após o trágico acidente com Gustavo Sondermann na Copa Montana, os pilotos da Stock Car criticaram a Curva do Café nesta segunda-feira e afirmaram que há tempos defendem mudanças neste local do circuito de Interlagos.

"Esse ponto específico é a curva mais perigosa do Brasil e ironicamente no autódromo mais seguro. A categoria pede mais segurança, para dar o devido espetáculo. Falta uma área de escape ali naquela curva. Já há muito tempo se reclama disso", afirmou Cacá Bueno, tricampeão da Stock.

No Twitter, o piloto Thiago Camilo foi mais duro. "Nós pilotos estamos sujeitos a acidentes e riscos, porém corremos alguns desnecessários graças a alguns incompetentes que não nos escutam!", escreveu.

"Não é por falta de pedido e esforço que as coisas não acontecem para melhor, nós pilotos estamos cansados de pedir, sugerir... Chegamos às vezes até a implorar algumas coisas dizendo: 'se for assim algum acidente grave vai acontecer'", completou.

No último domingo, Sondermann bateu no muro externo da Crva do Café. O carro voltou para a pista e Pedro Boesel, que tinha a visibilidade afetada pela nuvem de água, não pôde desviar. Sondermann sofreu fratura craniana e teve a morte cerebral confirmada nesta segunda. A família doará seus órgãos.

A curva que conduz os pilotos à reta dos boxes em Interlagos tem um histórico de acidentes. Cerca de um mês antes da fatalidade com Sondermann, o fotógrafo e piloto de moto João Lisboa bateu no muro que tange a reta principal, morrendo pouco tempo após ser socorrido.

Já em 2007, Rafael Sperafico, companheiro de Sondermann na época, morreu em um acidente parecido pela extinta Stock Light. Na Fórmula 1, Mark Webber, Fernando Alonso e Nico Rosberg também já bateram forte no mesmo ponto