C13 mantém confiança no Cade e diz que Globo faz negociação coletiva

SÃO PAULO - A decisão do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que não interfere na negociação individual dos clubes com a TV Globo, para os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro entre os anos de 2012 e 2014, não mudou o comportamento do Clube dos 13 na negociação; pelo contrário. Na noite desta quarta-feira, a entidade responsável pelos antigos acordos negou preocupação e alfinetou a emissora carioca, que já acertou com 14 clubes.

"Teve um monte de bobagem que foi colocada pela Globo. Os clubes podem fazer negociações individuais, mas, se ficar que a negociação é coletiva, e é coletiva, a Globo terá que arcar com as consequências", afirmou o diretor executivo do Clube dos 13, Ataíde Gil Guerreiro, em contato com o Terra na noite desta quarta-feira.

Durante a conversa, a reportagem foi devidamente interrompida para o dirigente apresentar o seu esclarecimento. Segundo Gil Guerreiro, a Globo terá dez dias para provar que as negociações com os clubes são feitas de maneira individual. Caso a emissora carioca não apresente os documentos, terá que pagar uma multa de R$ 5 mil por dia.

Todos os contratos, tanto os acordados pela Globo quanto o acerto da Rede TV! com o Clube dos 13, serão devidamente analisados pelo Cade. Segundo emitido pelo colegiado, o Conselho exige explicações da emissora carioca pelos 14 compromissos acordados - até o momento Bahia, Corinthians, Coritiba, Cruzeiro, Goiás, Grêmio, Vasco, Vitória, Santos, Sport, Palmeiras, Botafogo, Fluminense e Portuguesa.

No entanto, o Cade também procura explicações do Clube dos 13 sobre a suspensão da licitação sobre as transmissões do Brasileiro em internet, celular e TV paga - a organização das equipes justificou a ação para evitar um favorecimento à Globo.

"O Clube dos 13 tomou a decisão para evitar que a licitação fosse realizada sob circunstância economicamente desfavorável aos interesses dos nossos associados e dos torcedores brasileiros", comunicou a entidade, no último dia 22.

 

Entenda o caso

Em 2010, o Cade entrou em acordo com o Clube dos 13 e proibiu que a Rede Globo, atual detentora, tivesse privilégio de cobrir a maior oferta pelos direitos do Brasileiro. Para cumprir o pedido, a entidade dos clubes criou uma série de regras para a licitação dos Brasileiros do triênio 2012-14, mas alguns times ficaram temerosos em perder a parceria com a emissora de maior audiência do Brasil.

O Corinthians, de Andrés Sanchez, foi o primeiro a reclamar do processo e anunciou que iria negociar de forma separada, além de requisitar a saída do Clube dos 13. Flamengo, Fluminense, Botafogo, Vasco, Grêmio, Coritiba, Santos e Cruzeiro deixaram a concorrência em seguida.

Insatisfeita também com o processo, a Rede Globo optou por deixar a licitação e negociar com os times de forma separada. A Record, principal concorrente da emissora carioca na disputa, também deixou a concorrência no dia da licitação.

A desistência da TV paulista foi anunciada em nota oficial emitida momentos antes do anúncio do vencedor da licitação. No documento, a emissora alegou que a concorrência dividiu a entidade e que alguns clubes "indicam que têm acordos pré-acertados com outra emissora".

Assim, avisou que "não aceita participar de um jogo com cartas marcadas". Com isso, a RedeTV! tornou-se a única emissora que restou no processo, realizado em 11 de março, e foi a vencedora com uma oferta de R$ 516 milhões por ano, totalizando R$ 1,548 bi por três anos.

O triunfo da RedeTV! não significou a derrota da Rede Globo, que passou a negociar diretamente com os clubes. Desde então, 14 agremiações acertaram com a emissora do Rio: Bahia, Corinthians, Coritiba, Cruzeiro, Goiás, Grêmio, Vasco, Vitória, Santos, Sport, Palmeiras, Botafogo, Fluminense e Portuguesa.

Os seguidos acertos com a Rede Globo motivaram o adiamento por parte do Clubes dos 13 da abertura dos envelopes com os vencedores das licitações de direitos de transmissão de TV a cabo e pay-per-view, marcados para 23 de março, e internet e celular, que seria realizada no dia seguinte.

No dia 23 de março, a entidade anunciou que assinou oficialmente o contrato com a RedeTV! para o triênio, como tentativa de manter clubes dissidentes no acerto, e acionou o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para que acompanhe o imbróglio.