Botafogo vence o Paraná por 2 a 1, nas estreia de Caio Júnior

 

Em partida disputada sob chuva na cidade de Curitiba, o Botafogo deu um grande passo rumo à classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil. Na estreia do técnico Caio Júnior, justamente contra o clube que o projetou como treinador, a equipe alvinegra bateu o Paraná por 2 a 1 - gols do zagueiro Antônio Carlos e do garoto Willian - e pode até perder por 1 a 0 na partida de volta, marcada para 6 de abril, no Engenhão.

Com um esquema seguro na marcação, o Botafogo se impôs na partida e freou o veloz trio de ataque do Paraná, formado por Kelvin, Diego e Léo. A etapa inicial teve pouca criatividade no meio de campo e os dois primeiros gols saíram na bola parada.

Na segunda etapa, o atacante Willian, 19 anos, entrou e mudou a cara do jogo. Ele aproveitou falha do goleiro tricolor para definir a vitória carioca e puxou vários contra-ataques perigosos. O time alvinegro ainda teve chances de fazer 3 a 1 e eliminar o jogo de volta, mas falhou na pontaria.

O jogo

A forte chuva que atingiu Curitiba nesta quarta-feira prejudicou o início do duelo. Dono de uma equipe com jogadores rápidos como a revelação Kelvin, o Paraná não conseguiu desenvolver o jogo pelas laterais diante do Botafogo, bem armado defensivamente por Caio Júnior - o treinador apostou na forte marcação de Rodrigo Mancha, Marcelo Mattos e Somália no meio.

A presença dos três volantes tornou o Botafogo bem compacto e posicionado. A equipe carioca controlou os primeiros instantes de partida e assustou o goleiro adversário logo aos 8min, quando o atacante argentino Herrera arriscou de longe e viu a bola passar rente à trave paranista.

Mais atuantes no ataque, os cariocas abriram o placar aos 15min, aproveitando uma das virtudes do time desde o período de Joel Santana. Depois de cobrança de escanteio de Éverton pela direita, o zagueiro Antônio Carlos subiu mais alto que a defesa rival e fez 1 a 0 para o Botafogo.

O empate dos donos da casa, porém, saiu logo no minuto seguinte - e em jogada praticamente idêntica à do gol alvinegro. Após cobrança de escanteio, Rodrigo Defendi subiu de cabeça e acertou o canto esquerdo de Jefferson, igualando o marcador.

Após o começo acelerado, as equipes passaram a acertar a marcação no meio de campo e o jogo ficou mais truncado. Só aos 24min, novamente na bola parada, houve outra chance de gol: após escanteio, a zaga do Paraná não cortou e Antônio Carlos chegou atrasado no lance, perdendo ótima oportunidade.

Com um alto número de faltas, a partida tinha muita luta pela bola, mas pouca qualidade técnica. O Paraná apostava na velocidade de seu trio de frente para chegar: aos 37min, Diego fez a finta dentro da área e bateu na rede pelo lado de fora. Já o Botafogo, apesar de mais bem postado, errava passes e tinha dificuldades para acionar os atacantes Herrera e Caio.

Já nos acréscimos do primeiro tempo, o time tricolor ficou com um jogador a menos. Antes de batida de falta, o volante Luiz Camargo acertou uma cotovelada em Herrera fora do lance; o assistente percebeu o incidente e chamou o árbitro Elmo Alves Resende Cunha, que expulsou o jogador paranista.

Caio Júnior resolveu soltar mais o time para a segunda etapa e voltou do intervalo com o jovem atacante Willian no lugar de Rodrigo Mancha, deixando o Botafogo em um 4-3-3. A postura deu certo logo aos 2min de bola rolando: Somália arriscou de fora da área, o goleiro Thiago Rodrigues não segurou e Willian aproveitou o vacilo, marcando o segundo gol alvinegro no rebote.

Um minuto depois, o Botafogo perdeu sua vantagem numérica. Somália deixou a perna em cima de Diego, recebeu o segundo cartão amarelo e também foi expulso. Para reorganizar a equipe, Caio Júnior tirou Márcio Azevedo para a entrada do volante Fahel, deslocando Éverton para a lateral esquerda.

Mesmo com o Paraná, perdendo, a torcida tricolor não parou de apoiar. O time da casa tentava pressionar na base do "tudo ou nada"; porém, o Botafogo se defendia bem e seguia melhor na partida. Aos 31min, Willian arrancou pela esquerda em contra-ataque e cortou a marcação para dentro, mas preferiu chutar em vez de tocar para Caio e acabou mandando para fora.

Ameaçando constantemente no contragolpe, a equipe carioca teve outra chance de eliminar a partida de volta aos 39min. Após nova arrancada de Willian, desta vez pela direita, Alessandro ficou com a bola e arriscou de fora da área, mas mandou muito longe do alvo. O Paraná continuou se lançando à frente nos minutos finais, mas o placar não se alterou mais.

FICHA TÉCNICA

Paraná 1 x 2 Botafogo

Gols 

Paraná: Rodrigo Defendi, aos 16min do 1º tempo

Botafogo: Antônio Carlos, aos 15min do 1º tempo, e Willian, aos 2min do 2º tempo

Paraná

Thiago Rodrigues; Paulo Henrique, Rodrigo Defendi e Luciano Castán; Henrique (Luizinho), Anderson, Luiz Camargo e Lima (Marquinhos); Kelvin e Diego (Ricardinho); Léo. Técnico: Ricardo Pinto

Botafogo

Jefferson; Alessandro, Antônio Carlos, Márcio Rosário e Márcio Azevedo (Fahel); Marcelo Mattos, Rodrigo Mancha (Willian) e Somália; Éverton; Caio (Cidinho) e Herrera. Técnico: Caio Júnior

Cartões amarelos 

Paraná: Henrique e Anderson

Botafogo: Rodrigo Mancha, Somália e Alessandro

Cartões vermelhos

Paraná: Luiz Camargo

Botafogo: Somália

Árbitro 

Elmo Alves Resende Cunha (GO)

Local 

Estádio Durival de Britto, Curitiba (PR)

 

Vasco decepciona e empata em 0 a 0 com o ABC-RN

Uma atuação abaixo do esperado foi presenciada pelos torcedores vascaínos na noite desta quarta-feira. Atuando no Estádio Frasqueirão, em Natal, a equipe de São Januário não passou de um empate por 0 a 0 com o ABC-RN, em confronto válido pela segunda fase da Copa do Brasil. Sem inspiração, o time parou na forte marcação adversária, muito em conta por conta da falta de inspiração do sistema ofensivo vascaíno.

Abaixo do bom ritmo apresentado nas últimas partidas do Campeonato Carioca, o Vasco não conseguiu o objetivo de vencer fora de casa para abrir vantagem no confronto. A fraca exibição, inclusive, animou o ABC, que criou oportunidades e ameaçou em ocasiões esporádicas o goleiro Fernando Prass.

Depois do resultado no Nordeste, o Vasco voltará a atuar pela Copa do Brasil na próxima quarta-feira. Com a vantagem de atuar no Estádio de São Januário, a equipe do Rio de Janeiro receberá o ABC-RN, a partir das 21h50 (de Brasília). Apenas a vitória classifica o time carioca à próxima fase. Um empate com gols favorece os potiguares, por conta do critério de gols marcados fora de casa.

 

O jogo

A partida com as duas equipes muito fechadas. O Vasco tentava armar jogadas, mas esbarrava nos erros de passe no meio-de-campo. Sem sofrer pressão dos cariocas, o ABC conseguiu ter a prmeira chance de gol, aos seis minutos. Após bola levantada na área cruz-maltina, a bola chegou no atacante Leandrão. No entanto, o jogador potiguar chutou longe do gol de Fernando Prass.

O panorama da partida seguiu o mesmo até os 16min, quando o Vasco teve sua primeira oportunidade de gol. Bernardo arriscou de fora da área, mas a bola passou a esquerda de Wellington. O lance animou os cruz-maltinos, que criaram nova chance no minuto seguinte. Alecsandro foi lançado dentro da área, pelo lado direito, e chutou cruzado. No entanto, a bola passou longe do gol potiguar.

Após os lances, o Vasco tomou conta da partida e passou a ter o domínio da posse de bola. Com boa marcação, os cariocas impediam os ataques do ABC e buscavam a abertura do placar com mais ênfase. Aos 22min, Éder Luís arriscou de fora da área e a bola passou perto do travessão Wellington. No minuto seguinte, foi a vez de Alecsandro tentar de longe, só que também para fora.

O ABC voltou a melhorar a marcação e conseguiu equilibrar novamente a partida. Com isso, os donos da casa passaram a chegar com mais facilidade no campo de ataque. O time potiguar assustou o Vasco aos 30 min, quando Cascata arriscou de fora da área, mas a bola passou a esquerda de Fernando Prass.

Depois de um longo período de equilíbrio e sem chances de perigo, o ABC voltou a assustar aos 40min. O lateral direito Pio arriscou um chute com muito efeito e a bola passou muito perto do gol de Fernando Prass. O lance animou o time potiguar, que quase abriu o placar dois minutos depois. Após troca de passes na entrada da área, a bola sobrou novamente para Pio, que acertou a rede do lado de fora do gol vascaíno. No fim, as equipes foram para o intervalo com a igualdade no Frasqueirão.

O segundo tempo começou com o Vasco errando muitos passes e não conseguindo criar bons lances no ataque. O ABC, mesmo que sem tanta qualidade, teve a primeira chance de abrir o placar aos 7min. O lateral direito Pio arriscou de longe e obrigou Fernando Prass a espalmar para escanteio.

O Vasco conseguiu criar sua primeira boa jogada na etapa final aos 15 min. O volante Felippe Bastos recebeu na entrada da área e tentou o ângulo de Wellington. No entanto, a bola passou por cima do travessão. O lance surtir efeito na equipe carioca, que melhorou em campo e quase marcou aos 18. Allan tabelou com Alecsandro e chutou cruzado dentro da área. A bola passou raspando a trave do ABC.

Depois de um período em que a marcação das equipes sobressaiu sobre os ataques, o ABC teve a melhor lance da partida aos 28min. O atacante Ray, que havia acabado de entrar, foi lançado e ficou de frente para Fernando Prass. O jogador potiguar finalizou, mas em cima do golerio vascaíno, que salvou os cariocas.

Com a proximidade do fim, as duas equipes ainda buscaram o gol da vitória, mas não tiveram qualidade de criar bons lances no ataque adversário. Assim, o confronto terminou como começou no Frasqueirão, para a decepção da torcida presente.