Oposição minimiza vitória de Juvenal: "reunião e nada é mesma coisa"

 

Em reunião realizada na noite desta sexta-feira, o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, conquistou o direito de disputar sua segunda reeleição. O encontro do Conselho Deliberativo só foi possível após liminar da oposição ser derrubada. Ainda assim, o candidato contrário, Edson Francisco Lapolla, não se preocupa com a vitória obtida pelo atual mandatário.

"A reunião e nada é a mesma coisa. Precisa esperar o julgamento do mérito, e já ganhamos quatro vezes", disse o conselheiro ao Terra, referindo-se à avaliação da legalidade de um terceiro mandato consecutivo, que tramita em Brasília. Nas quatro vezes em que a questão foi analisada pela justiça paulista, a oposição saiu-se vitoriosa.

Juvenal recebeu 140 votos a favor na reunião desta sexta, com apenas 18 contrários. Entre os conselheiros que se opuseram ao comandante está o diretor-executivo do Clube dos 13, Ataíde Gil Guerreiro. Marco Aurélio Cunha, que deixou o futebol do São Paulo no último mês de janeiro por não concordar com a administração atual, votou a favor de Juvenal

O resultado da reunião deixou os conselheiros do São Paulo otimistas, o que alarmou a oposição do clube. "O Carlos Miguel (Aidar, ex-presidente do clube) disse uma declaração perigosa. Ele garantiu que já sabe o resultado, que sai em março. Mas nós já ganhamos quatro vezes. Do jeito que está hoje, o Juvenal não pode ser candidato", explicou Lapolla.