Atlético-PR, Sevilla, Napoli: relembre confusões entre TVs e clubes

 

O "racha" no Clube dos 13, com a saída de agremiações que querem brigar individualmente pelos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro de 2012 a 2014, pode sair muito mais caro para o torcedor, que pode perder o direito de ver seu clube do coração na televisão.

Se não houver acordo entre os clubes que aceitarem o pacote proposto pela emissora que detiver os direitos de transmissão e os que ficarem de fora, os jogos não poderão ser transmitidos sem acordo prévio entre as agremiações que se enfrentarem na rodada. E os torcedores do Atlético-PR já passaram por isso em 2007.

O clube rubro-negro não aceitou a proposta feita pela emissora que detinha os direitos sobre o Campeonato Paranaense e não entrou em acordo com os demais clubes. Como consequência, os jogos não foram transmitidos. Ao torcedor, cabia ir ao estádio para ver o clube.

Entretanto, esta história não é nova no mundo do futebol. No final da década de 1990, o Campeonato Brasileiro passou por situação semelhante. A ESPN teve seus direitos vetados pelo Clube dos 13, e foi o torcedor quem sofreu novamente. A emissora só podia transmitir os jogos das equipes do chamado "Clube dos 7", enquanto aRede Globo passava as partidas do Clube dos 13 - assim, quando havia confronto de equipes de grupos opostos, ninguém transmitia.

O que Flamengo e Corinthians exigem hoje - maior cota pelos direitos de transmissão por serem os clubes mais populares - já levou a um racha na Espanha. O Sevilla, descontente com o favorecimento dado a Real Madrid e Barcelona (quase metade do montante oferecido), clubes que detêm a maior fatia dos direitos de TV, ameaçou no último ano reunir outros clubes para ter uma liga separada sem a dupla mais tradicional. Porém, sem força para isso, foi vencido pela maioria. Ainda assim, com uma cota menor, não tem todos os seus jogos transmitidos.

Mais um caso semelhante aconteceu no Campeonato Italiano na temporada 2007/08. Recém-promovido à primeira divisão, o Napoli não concordou com os valores fechados para as transmissões das partidas - como resultado, nenhum jogo da equipe foi televisionado.

Na Espanha, a discussão pelos valores é feita individualmente, como parte dos clubes sugere ser no Brasil. Outro bom exemplo da divisão de cotas de maneira mais equilibrada acontece na competição mais rica do futebol: a Liga dos Campeões da Europa.

Lá, os clubes que se classificam para a competição têm uma cota igual, independente da tradição da equipe; o que diferem são os valores que vão sendo acrescidos a cada jogo realizado e a cada fase que se avança. A Uefa é quem faz o acordo em conjunto dos direitos de transmissão.