Dirigentes cariocas manifestam preferência pela Globo

 

Embora não admitam abertamente, os presidentes dos quatro clubes grandes do Rio que estão rompendo com o Clube dos 13 nas negociações por direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, deixaram escapar a preferência pela Rede Globo, atual detentora da competição.

A emissora e a rival Record travam a principal batalha para ter o direito de transmissão em canal aberto.

Segundo fontes, a emissora paulista estaria disposta a pagar mais aos clubes que a concorrente carioca, mas os clube do Rio de Janeiro temem uma menor exposição de suas marcas e, consequentemente, uma redução da verbas publicitárias.

"Já fui procurado por parceiros que querem saber onde a marca vai ser exibida e , eventualmente, podem sugerir um redução no valor dos contratos", disse o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção.

O dirigente, que participava de uma comissão dentro do Clube dos 13 para analisar contratos e propostas, disse que a proposta da Record não tem fundamento e embasamento técnico. "A Rede TV fez uma apresentação admirável em relação à capacidade tecnológica apresentada por eles e com a capacidade que eles podem ter em termos de jogos. Infelizmente, por parte da Rede Record, eu tive uma boa impressão. Vi a intenção da ESPN, interessada em pay-per-view, e internet, do Portal Terra, tudo muito qualificado", disse o presidente do Botafogo. "A proposta técnica da Record me causou má impressão. Não demonstrou capacidade técnica para fazer nem daqui a seis meses ou um ano. Isso me deixou preocupado. Essa preocupação é transmitida para o meu parceiro comercial que está de olho na sua exposição", acrescentou o dirigente.

O presidente do Fluminense, Peter Siemsen, reforçou a posição "pró-Globo" ao dizer que a arrecadação financeira não é o quesito mais importante para os clubes na discussão sobre os direitos de transmissão. O dirigente citou exposição da marca e know-how (experiência) como fatores preponderantes. 'Emissoras de TV, internet, telefonia apresentaram interesse ao Clube dos 13... Uma coisa é acreditar que quem vai comprar vai me dar o retorno esperado no período. Quem prestar o serviço não pode falhar, senão é um desastre", avaliou Siemsen.

"Mercado é competência. Se a Globo, ao longo dos anos, construiu essa força comercial, parabéns. Cabe ao mercado saber concorrer com ela... Às vezes a melhor proposta líquida não é a melhor a proposta para o crescimento da marca. É isso que está na nossa cabeça", disse o presidente tricolor.