Brasil Open consome 150 toneladas de saibro e mais de 4 mil bolas

SALVADOR - A estrutura montada na Costa do Sauípe para receber a edição 2011 do Aberto do Brasil de tênis impressiona pela grandiosidade e pelos números apresentados até o momento. Em sete dias de evento, 63 jogadores de 13 diferentes países entraram em quadra e consumiram 16.140 litros de água, distribuídos em 74.400 copos de 200 ml e 2.520 garrafas de 500 ml.

O forte calor do litoral baiano também fez com que tenistas utilizassem 1,2 mil garrafas de 500 ml de isotônico e cerca de 700 toalhas brancas para conter o suor durante os jogos. Na preparação e trabalho de manutenção das seis quadras que foram usadas para jogos e treinos, foram gastos 150 toneladas de saibro e 8 toneladas de pó de telha.

Para realizar a maior edição do único torneio ATP realizado no Brasil, a organização decidiu aumentar a capacidade da arena principal, que agora comporta 3.665 lugares sentados e outros mil nos camarotes superiores, situados no fundo das quadras. O grande número de partidas e treinos consumiu 4.410 bolinhas, ou 49 caixas, dando em média 70 por jogador.

Nos bastidores, muito esforço também foi necessário para realizar o torneio. Os estandes das patrocinadoras, na "Vila do Tênis" montada do lado de fora, 52 promotores recebiam o público, enquanto oito rapazes e 21 moças orientavam os torcedores no acesso às quadras. No lado de dentro, dez pessoas cuidavam dos atletas durante os jogos e 25 eram responsáveis pela manutenção das quadras, além de uma equipe de arbitragem formada por 47 pessoas de oito países diferentes (7 juízes de cadeira e 37 de linha).

Tamanho esforço foi compensado pela aprovação do público que lotou as arquibancadas nos últimos dois dias e saiu satisfeito com o que viu. "Gostei da organização, achei muito bem feito. É a primeira vez que venho e fiquei surpresa com a estrutura montada. De tênis eu não entendo muito, nunca parei para assistir, mas a grandiosidade daqui não se discute", disse a turismóloga Luana Serpa, 29 anos, que tem a mesma opinião de quem já viu outras edições.

"Com certeza essa é a melhor que já vi. Sempre venho assistir os jogos, todo ano viajo para cá e realmente a organização deste ano superou todos os outros anteriores", disse a aposentada Ieda Monte, moradora de São Paulo.